Ir para o conteúdo
Mostrar cesto Esconder cesto
ou

Coopertane

 

Tela cheia

Nossa Comunidade

15 de Maio de 2014, 10:52 , por Patrícia Conceição da Silva - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 388 vezes

A Coopertane está localizada no bairro do Beirú (Tancredo Neves) localizado na periferia de Salvador, com aproximadamente 200 mil habitantes e altos índices de desemprego. Uma das características do bairro é o crescimento do comércio (formal e informal). As oportunidades de trabalho neste comércio são bastante restritas, geralmente as vagas são preenchidas por familiares dos proprietários.

Como fonte de renda, a opção para os jovens é o trabalho temporário em épocas de festas; para as mulheres, os serviços de diarista nos bairros mais "nobres" ou no centro da cidade; e para os pais de família restam os "bicos" na construção civil ou no comércio ambulante. Embora, possa ser percebido o crescimento das mulheres no mercado de trabalho, estas continuam com menores salários e sem condições favoráveis à sua permanência no mercado.

A história do Beirú se confunde com a história dos cultos afro, terreiros e, principalmente, com a história do seu primeiro morador, Miguel Arcanjo, o Beiru, um negro escravizado, comprado pela família Hélio Silva Garcia. Ele herdou as terras antes pertencentes aos seus donos, hoje equivalente à área ocupada pelo Beiru, que gira em torno de 1 milhão de metros quadrados.

Após a morte de Beiru, estas áreas voltaram à posse da mesma família de origem, já que "Preto Beiru", como era chamado, não tinha herdeiros libertos. Os Hélio Silva
Garcia, em gratidão a Beiru, resolveram homenageá-lo, dando seu nome à fazenda da família , como consta na escritura datada do final do século XIX.

As terras foram então vendidas a Miguel Arcanjo, primeiro residente da área. Anos mais tarde ele viria a fundar um terreiro de candomblé no local onde foi construída a casa grande da Fazenda Beiru. A venda das terras datam de 1910. Foi assim que nasceu, em 1912, a Nação de Amburaxó, na área conhecida como Jaqueira da Cebolinha, que atualmente dá nome ao Largo do Anjo-Mau.