Ir para o conteúdo
Mostrar cesto Esconder cesto
Voltar a Textos
Tela cheia

Michel Temer e a ideologia - TEXTO 04

13 de Junho de 2016, 17:58 , por Zenivaldo - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 129 vezes

MICHEL TEMER E A IDEOLOGIA

Se não há uma definição universal sobre ideologia, tal como há para a lei gravitacional, há uma espécie de consenso na Sociologia de que a ideologia contempla em si, um sistema de crenças ou visão de mundo, desse ou daquele grupo social. Mas, então, o que significa o pensamento do presidente interino Michel Temer ao dizer, no seu encontro com os empresários (organizado pela FIESP), no dia 08.06.16: "Essa coisa de ideologia hoje está completamente fora de moda. O que as pessoas querem são resultados. Se forem negativos, as pessoas vaiam. Se forem positivos, aplaudem."?

A resposta vem de Paulo Freire: “não existe imparcialidade. Todos são orientados por uma base ideológica. A questão é: a sua base ideológica é inclusiva ou excludente?” O Sr. Temer quer, na verdade, nos enganar ao pregar uma pretensa imparcialidade. Quer esconder o seu real projeto político que é ampliar as bases de exploração econômica pelo capital. O projeto hegemônico capitalista não pode revelar a sua intenção! Pois, se assim o fizer, certamente terá a rejeição da população. Mas, revela essa intenção com as atitudes e a face mais visível dessa fala falseada está no pacote de medidas econômicas, base do plano do governo Temer.
Já salientamos aqui anteriormente a intenção privatista da Previdência Social e do pré-sal. Esses são pontos de fronteiras altamente lucrativas para o capital, com imensuráveis e irreparáveis prejuízos para a esmagadora maioria da população brasileira. Um outro ponto que merece destaque nesse perverso projeto é a DRU – desvinculação das receitas da união. Sob o argumento de que essa desvinculação permite aumentar a flexibilidade para os recursos do orçamento nas despesas sejam remanejados para pontos de maior prioridade, o governo vai então se desobrigar de cumprir aplicações constitucionais obrigatórias, para itens como Saúde e Educação.
Aí entra fortemente a questão ideológica que norteia o governo. O PMDB tem como sua ideologia, a base excludente, pois está atrelado aos ditames do “deus” mercado. Sua preocupação principal é o que vão dizer as tais agências internacionais de “rating”. Essas agências funcionam como os “olhos” do capital especulativo, guardiãs dos interesses do mercado financeiro. A elas interessam se o País vai pagar os juros da sua dívida (juros abusivos). Há todo um aparato ideológico (lembremos sempre que a ideologia está por trás de toda ação social do ser humano, como disse Freire), justificando as medidas de escorcha da população para “honrar” esses juros, sem discuti-los sequer. Não importa se o deslocamento dos recursos da Saúde vai ocasionar sofrimento e morte de milhares e milhares de pessoas. Não interessa se os cortes na Educação vão multiplicar as crianças e adolescentes na rua e os analfabetos “funcionais”, impedindo o real desenvolvimento do País.

A ideologia passada pela chamada “grande imprensa” é a de que essa prioridade dos recursos para cobrir as despesas com os juros (“serviços da dívida”, como chamam), é algo normal e natural. Nunca é dito explicitamente que o projeto neoliberal prioriza o mercado financeiro. Mas observemos que o destaque para os indicadores das bolsas de valores, para o vai-e-vem do dólar e para os comentários dos grandes grupos financeiros dá o tom dos noticiários. Quando esses números são favoráveis a esses grupos, os “grandes” jornais (não esquecer da Veja, Istoé e Época) e as redes de televisão dominantes (a Globo sempre à frente) passam uma atmosfera de que vai tudo bem. Os problemas com a saúde, educação e moradia para os mais pobres ficam em segundo plano. São noticiados rapidamente. É assim que se cultua a ideologia neoliberal como a única via. De forma subliminar, sem a sua discussão, sem reflexões sobre as consequências sociais que daí advém.
Portanto, é falsa a afirmativa do Sr. Michel Temer quando diz que a ideologia está fora de moda. O ser humano é um animal essencialmente político, como afirmou Aristóteles desde a Idade Antiga. E por ser assim, todo grupo humano age sob uma ideologia, tendo ou não consciência dela, pois que a ideologia está na essência do ser político. Quer nos enganar, quer nos iludir com sua afirmação, o presidente interino. Por ser um jurista, ele bem sabe que afirmou uma falsidade.

Orientemo-nos mais por Freire e vamos tentar descobrir qual a ideologia que está por trás das ações políticas. Essa descoberta virá de um trabalho intelectual que teremos de fazer, se queremos ter uma consciência crítica. Vamos buscar leituras e pesquisar documentários históricos que nos deem uma base para avaliar a situação que hoje se apresenta. O caminho não é fácil e exige um certo esforço, mas será de grande serventia se queremos ir além da enganação jornalística e de maus políticos.

 

Para baixar esse texto

CLIQUE AQUI


0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.

    Cancelar

    Professor Santana

    Textos Políticos