Ir para o conteúdo
Mostrar cesto Esconder cesto
Tela cheia Sugerir um artigo

Notícias

12 de Janeiro de 2009, 22:00 , por Desconhecido - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Notícias publicadas no portal oficial da UFRB e clonadas nessa comunidade.

Programas internacionais da CAPES ofertam mais de 400 bolsas

14 de Dezembro de 2017, 16:05, por UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - 0sem comentários ainda

Os editais para os programas de Professor Visitante (PVE)Pós-doutoradoDoutorado-sanduíche (PDSE) e Doutorado-pleno, todos no exterior, foram divulgados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) no Diário Oficial da União desta segunda-feira, 11. Aqueles que tiverem interesse em concorrer a bolsas de doutorado-pleno, pós-doutorado ou professor visitante, têm até o dia 19 de janeiro de 2018 para efetuar as inscrições nas páginas dos programas. Para o Programa de Doutorado-sanduíche, as inscrições na página da CAPES vão de 19 de fevereiro a 23 de março de 2018, após seleção interna pelas instituições de ensino superior (IES). Para estarem aptos, os candidatos deverão observar os requisitos descritos em cada edital.

Professor Visitante
Programa tem como objetivo oferecer bolsa no exterior para a realização de estudos avançados após o doutorado e destina-se a pesquisadores ou docentes que possuam vínculo empregatício com instituição brasileira de ensino ou pesquisa. São duas categorias de bolsa: Júnior, para professor ou pesquisador, com vínculo empregatício, que possua até doze anos de doutoramento; ou Sênior, para professor ou pesquisador, com vínculo empregatício, que possua mais de doze anos de doutoramento.

Serão concedidas até 200 bolsas, sendo 100 para cada categoria. A duração da bolsa será definida na concessão, com base na duração aprovada pelas instituições de origem e de destino e o cronograma de execução do projeto proposto, podendo variar entre quatro e 12 meses, prorrogáveis por até seis meses, sem ônus para a CAPES, desde que autorizado pela instituição empregadora e pela CAPES.

Pós-doutorado
Programa oferta bolsas para a realização de estudos avançados fora do Brasil posteriores à obtenção do título de doutor e destina-se a pesquisadores ou docentes com menos de oito anos de formação doutoral e que não possuam vínculo empregatício. Não são aceitas inscrições de estudantes em fase de conclusão de curso.

Para essa modalidade, serão concedidas até 100 bolsas. A duração da bolsa será definida na concessão com base na duração aprovada pela instituição de destino e o cronograma de execução do projeto proposto, podendo variar de seis a 12 meses, prorrogáveis por até seis meses, sem ônus para a CAPES, desde que autorizado pela instituição empregadora e pela CAPES.

Doutorado-sanduíche
Para esta modalidade, são ofertadas bolsas de estágio em pesquisa de doutorado no exterior de forma a complementar os esforços despendidos pelos programas de pós-graduação no Brasil na formação de recursos humanos de alto nível para inserção nos meios acadêmico, de ensino e de pesquisa no país. No doutorado-sanduíche no exterior, alunos regularmente matriculados em cursos de doutorado no Brasil realizam parte do curso em instituição no exterior, retornando e permanecendo no Brasil para a integralização de créditos e defesa de tese. As bolsas são destinadas aos alunos regularmente matriculados em curso de doutorado no Brasil (com notas de 4 a 7 na avaliação quadrienal do ano de 2017 da CAPES) e que comprovem qualificação para usufruir, no exterior, da oportunidade de aprofundamento teórico, coleta ou tratamento de dados, ou desenvolvimento parcial da parte experimental da tese a ser defendida no Brasil.

Cada programa de doutorado fará jus a uma cota de 12 meses para o ano de 2018, o que equivale a 12 mensalidades. A quantidade de bolsistas pode variar, conforme o interesse da Coordenação do Programa nas IES, o mérito e a duração das propostas apresentadas. Não serão aceitos, no âmbito deste Edital, pedidos de cotas adicionais.

A duração da bolsa é de, no mínimo, seis meses e de, no máximo, 12 meses, sendo possível, para cada programa de pós-graduação, atender um ou dois bolsistas no ano, usufruindo, cada um dos bolsistas, um período total ou parcial, em conformidade com as cotas disponíveis.

Doutorado-pleno
Programa tem a finalidade de oferecer bolsas de doutorado-pleno como alternativa complementar às possibilidades ofertadas pelo conjunto dos programas de pós-graduação no Brasil. Este edital ofertará até 100 bolsas incialmente concedidas por um período de, no máximo, 12 meses. A renovação da concessão é condicionada ao desempenho acadêmico satisfatório do(a) estudante. A duração total da bolsa de doutorado-pleno no exterior será definida com base na duração aprovada pela instituição de destino e cronograma de execução do projeto proposto, não podendo ultrapassar 48meses, com vigência até o mês de defesa da tese.

Para os(as) candidatos(as) selecionados(as) que já estejam realizando o doutorado no exterior, será deduzido da duração total da bolsa o tempo já cumprido com o curso antes da concessão da bolsa, considerando o início das atividades acadêmicas informadas pela instituição à qual estão vinculados. Caso o doutorado não seja concluído dentro do período de concessão, poderá ser requerida pelo bolsista a extensão da permanência no exterior, sem ônus para a CAPES, por no máximo 12 meses. O requerimento será analisado, desde que devidamente fundamentado, e a autorização excepcional da agência para permanência no exterior dependerá de comunicação expressa ao bolsista nesse sentido.

Todos os editais têm previsão de início dos estudos a partir de agosto a novembro de 2018.

Acesse aqui os editais:

Edital 45/2017 – Professor Visitante no Exterior
Edital 46/2017 – Pós-doutorado no Exterior
Edital 47/2017 – Doutorado-sanduíche no Exterior
Edital 48/2017 – Doutorado-pleno no Exterior

Informações da CCS/CAPES



Programa Saberes Abertos aborda Projeto de Extensão Tecelendo

13 de Dezembro de 2017, 4:31, por UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - 0sem comentários ainda

A Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), por meio da Superintendência de Educação Aberta e a Distância (SEAD), lançou mais um vídeo do projeto “Saberes Abertos”. A iniciativa objetiva apresentar perfis e entrevistas que articulem o campo da comunicação e da educação, promovendo difusão de conhecimento e a exposição dos objetos de estudos de professores e pesquisadores da UFRB.

A docente Andreia Barbosa dos Santos foi a entrevistada da edição.  Andréia possui graduação em Licenciatura Plena em Pedagogia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2000), Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Pelotas (2004), e Doutorado em Educação pela Universidade Federal da Paraíba. Na UFRB, desenvolve pesquisa e extensão nas áreas da Educação de Jovens, Adultos e Idosos, Extensão Popular e Educação de Educadores. Discute Ideologia, alfabetização, exclusão social, extensão popular e educação de educadores.

No vídeo, Andréia apresenta o projeto de extensão Tecelendo. O projeto se destina a atender jovens, adultos e idosos que não tiveram acesso ao processo de alfabetização e letramento na idade regular. Trata-se de um projeto alicerçado no trabalho enquanto princípio educativo. As atividades estão centradas na inserção e consolidação da tecelagem enquanto fomento de geração de trabalho, de renda e de situações desafiadoras para a prática de leitura e escrita dos sujeitos. 

A iniciativa defende a alfabetização enquanto possibilidade do indivíduo envolver-se em práticas sociais de leitura e escrita aprofundando-se no ler, compreender e produzir textos de diferentes tipos e finalidades e que envolvam diferentes áreas do conhecimento; além do domínio no seu dia a dia dos diferentes usos de linguagem.  Saiba mais na página do projeto

Assista:



Nota do Conselho Universitário sobre os ataques às Instituições Federais de Ensino Superior

11 de Dezembro de 2017, 9:50, por UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - 0sem comentários ainda

O Brasil vive um período conturbado na sua história política e caminha a passos largos para um estado de exceção que ameaça as forças democráticas, as instituições republicanas, as liberdades individuais e coletivas, assim como investe contra a diversidade étnica e cultural e o equilíbrio ambiental.

De forma específica, forças conservadoras ameaçam as universidades públicas em sua liberdade de pensamento, sua autonomia acadêmica e política, a sua gestão democrática e sua força de transformação pessoal e social, visando a privatização desse patrimônio, o controle da produção científica e tecnológica e o retorno à elitização do seu acesso.

Estes ataques não são novos, eles permeiam a história do Brasil em todas as suas etapas, retardando os avanços políticos, sociais, educacionais e impedindo o acesso do povo aos níveis superiores de estudos. No entanto, este sempre foi um campo de enfrentamentos e lutas pela conquista de um estado democrático de direito e pela melhoraria na qualidade de vida dos brasileiros, lutas que amadureceram a sociedade brasileira e ampliaram a consciência crítica e cidadã.

As Universidades Federais são as responsáveis pela produção de um respeitável patrimônio científico, tecnológico, artístico, cultural e inovativo, que colaboram com o desenvolvimento nacional. São as universidades públicas que fortalecem a educação superior gratuita e de excelência. Sua atuação tem sido marcada também pela recente política de inclusão e integração social.

Desta forma, o Conselho Universitário (CONSUNI) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), reunido no dia 11 de dezembro de 2017, vem a público demonstrar sua indignação diante dos recentes ataques sofridos pelas universidades públicas brasileiras, e em particular, dos abusos de autoridade recentemente perpetrados pelo Ministério Público e pela Polícia Federal, contra a Universidade Federal do Paraná, a Universidade Federal de Santa Catarina e a Universidade Federal de Minas Gerais. E reforça o clamor da ANDIFES: que sejam tomadas medidas legais para coibir estas práticas, de modo que as operações empreendidas por agentes públicos no combate a possíveis irregularides se referenciem nos preceitos constitucionais, especialmente quanto ao respeito aos direitos individuais e às instituições da República.

O CONSUNI se solidariza com os gestores e servidores das Universidades atingidas, ao mesmo tempo em que conclama toda a comunidade acadêmica e a sociedade em geral, a reagir contra o abuso de autoridade e em defesa da universidade pública do estado democrático de direito.

Cruz das Almas, 11 de dezembro de 2017.

Silvio Luiz de Oliveira Soglia
Reitor da UFRB
Presidente do Conselho Universitário



UFRB e UNEB assinam convênio para instalação de Polo de educação a distância (EaD)

8 de Dezembro de 2017, 12:53, por UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - 0sem comentários ainda

Implantação de um polo conjunto de educação a distância (EaD) e de programas de pós-graduação, mobilidade discente e desenvolvimento de projetos e pesquisas. Essas são algumas das ações previstas no termo de cooperação firmado entre a Universidade do Estado da Bahia (UNEB) e a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

O convênio, que marcou a abertura das comemorações dos 20 anos de atividades do Campus XV da UNEB, em Valença, no último dia 27, foi assinado pelos reitores José Bites de Carvalho (UNEB) e Sílvio Luiz Soglia(UFRB) e pela diretora do Departamento de Educação (DEDC) do campus, Rosa Amélia Lorenzo, com a participação da comunidade acadêmica, gestores, autoridades convidadas. “Estar aqui, com uma universidade federal e uma universidade estadual firmando este termo, é uma manifestação real da defesa e busca pelo desenvolvimento da educação superior na Bahia”, afirmou o reitor da UFRB.

O reitor da UNEB ressaltou a importância dessa parceria não só para o Campus XV, mas para toda a universidade. “Acompanho há muitos anos a trajetória de crescimento e consolidação deste campus e sinto grande satisfação com os avanços conquistados por esta comunidade. Agora, com o convênio, vamos avançar mais, com sustentabilidade e inclusão”, disse José Bites.

Na avaliação da diretora do DEDC, o convênio vem trazer novas perspectivas para a região. “Acredito que esse polo EaD vai possibilitar o acesso a muitos outros estudantes, contribuindo com o crescimento de todo o território do baixo sul do estado”, pontuou Rosa Amélia.

A cooperação avalia ainda a implantação de uma pós-graduação na área de educação e tecnologia, de projetos de extensão em empreendedorismo, desenvolvimento territorial, além da oferta de cursos de graduação.

Com colaboração da Ascom UNEB



Andifes divulga nota sobre investigação na Universidade Federal de Minas Gerais

7 de Dezembro de 2017, 9:44, por UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - 0sem comentários ainda

NOTA OFICIAL

MEMÓRIA DA DITADURA

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), em nome dos (as) sessenta e três reitores (as) das Universidades Federais brasileiras, vem, mais uma vez, manifestar a sua indignação com a violência, determinada por autoridades e praticada pela Polícia Federal, ao conduzir coercitivamente gestores (as), ex-reitores (as) e docentes da Universidade Federal de Minas Gerais, em uma operação que apura supostos desvios na construção do Memorial da Anistia.

É notória a ilegalidade da medida, que repete práticas de um Estado policial, como se passou com a prisão injustificada do Reitor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, da Universidade Federal de Santa Catarina, há pouco mais de dois meses. Apenas o desprezo pela lei e a intenção política de calar as Universidades, lócus do pensamento crítico e da promoção da cidadania, podem justificar a opção de conduzir coercitivamente, no lugar de simplesmente intimar para prestar as informações eventualmente necessárias. Ações espetaculosas, motivadas ideologicamente e nomeadas com ironia para demonstrar o desprezo por valores humanistas, não ajudam a combater a real corrupção do País, nem contribuem para a edificação de uma sociedade democrática.

É sintomático que este caso grotesco de abuso de poder tenha como pretexto averiguar irregularidades na execução do projeto Memorial da Anistia do Brasil, que tem, como uma de suas finalidades, justamente preservar, em benefício das gerações atuais e futuras, a lembrança de um período lamentável da nossa história. Na ditadura, é bom lembrar, o arbítrio e o abuso de autoridade eram, também, práticas correntes e justificadas com argumentos estapafúrdios.

As Universidades Federais conclamam o Congresso Nacional a produzir, com rapidez, uma lei que coíba e penalize o abuso de autoridade. E exigem que os titulares do Conselho Nacional de Justiça, da Procuradoria Geral da República, do Ministério da Justiça e do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria da União intimem seus subordinados a balizarem as suas atividades pelos preceitos constitucionais, especialmente quanto ao respeito aos direitos individuais e às instituições da República. A sociedade não pode ficar sob ameaça de centuriões.

A Andifes, as reitoras e os reitores das Universidades Federais solidarizam-se com a comunidade da Universidade Federal de Minas Gerais, com seus gestores, ex-reitores e com seus servidores, ao mesmo tempo em que conclamam toda a sociedade a reagir às violências repetidamente praticadas por órgãos e indivíduos que têm por obrigação respeitar a lei e o Estado Democrático de Direito. As Universidades Federais, reiteramos, são patrimônio da sociedade brasileira e não cessarão a sua luta contra o obscurantismo no Brasil.

Brasília, 06 de dezembro de 2017.

Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes)



Categorias

Bahia, Comunicação, Cultura, Formação, Marco Legal, Pesquisa e tecnologia, Políticas públicas, Relações internacionais, Saúde popular, Software, cultura e conhecimentos livres