Ir para o conteúdo
Mostrar cesto Esconder cesto
Tela cheia Sugerir um artigo

Notícias

12 de Janeiro de 2009, 22:00 , por Desconhecido - | 1 pessoa seguindo este artigo.
Notícias publicadas no portal oficial da UFRB e clonadas nessa comunidade.

Nota pública da Andifes - Universidade é lugar de conhecimento e liberdade

30 de Julho de 2018, 9:10, por UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - 0sem comentários ainda

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) manifesta sua indignação com as ações desencadeadas por agentes que afrontam a Universidade Pública Brasileira e o Estado Democrático de Direito. Uma vez mais, presenciamos a Universidade Federal sendo vítima do arbítrio e da censura.

Nesta sexta-feira, 27 de julho, a imprensa nacional revelou que a Polícia Federal de Santa Catarina instaurou inquérito contra o professor Áureo Mafra de Moraes, chefe de gabinete da Reitoria da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). O professor foi intimado, no mês passado, por ter participado de ato público pelo 57º aniversário da UFSC, ocasião em que lamentou a morte do reitor Luiz Carlos Cancellier de Olivo, que se suicidou em outubro de 2017, após ser preso sem acusação justificada, sendo submetido a humilhações descabidas.

A intimação do professor Áureo Mafra de Moraes, e a determinação para que faça comunicação em caso de eventual mudança de endereço, bem como a tentava de proibir manifestações da comunidade universitária, constitui lamentável retrocesso para a democracia brasileira. A abertura de inquérito policial contra o professor Áureo de Moraes agride, assim, a universidade e a democracia. Infelizmente, é mais uma demonstração de repetidos abusos e desrespeito à lei que temos vivenciado e que lamentavelmente nos remete à Ditadura, período em que, é bom lembrar, o arbítrio e o abuso de autoridade eram práticas correntes e justificadas com argumentos estapafúrdios. A autonomia universitária, resguardada pela Constituição Federal, tem sido desprezada, e aqueles que deveriam fazer cumprir a lei e garantir os direitos expressos na carta magna brasileira, lançam mão de artifícios para intimidar, cercear e tentar impor um regime ao qual a Universidade não irá jamais se curvar.

A Andifes, as reitoras e os reitores das Universidades Federais solidarizam-se com a comunidade da Universidade Federal de Santa Catarina, com seus gestores, ex-reitores e com seus servidores, reiterando o direito constitucional às manifestações pacíficas, que não podem ser criminalizadas, pois se constituem em conquista essencial da vida democrática. As manifestações promovidas pela comunidade universitária da UFSC e pela sociedade são legítimas e democráticas. São vozes cidadãs que pedem justiça e que justamente rechaçam as ameaças à Universidade Pública. Ao mesmo tempo, conclamamos toda a sociedade a reagir às violências repetidamente praticadas por órgãos e indivíduos que têm por obrigação respeitar a lei e o Estado Democrático de Direito. As Universidades Federais são patrimônio da sociedade brasileira, e não cessarão a sua luta contra o obscurantismo no Brasil.

Brasília, 29 de julho de 2018.



Artigo do Reitor da UFRB sobre os 13 anos de Educação Superior no Recôncavo da Bahia

27 de Julho de 2018, 17:34, por UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - 0sem comentários ainda

No início do século XIX, o mundo ocidental vivia fortes ebulições políticas e sociais embaladas pelos ecos das grandes transformações do final do século XVIII. No Brasil, o clima era de radicalização pela independência política. As províncias baianas do Recôncavo, em especial Santo Amaro da Purificação, Maragogipe e Cachoeira, protagonizaram batalhas que derrotariam as forças portuguesas da região. Essa vitória foi decisiva para impulsionar a decisão do Príncipe Regente em proclamar a independência do Brasil.

A história da UFRB também é marcada na luta pela independência do Brasil quando, em Santo Amaro, a Câmara de Vereança marca o seu tempo como farol e guia, ao propor os pilares constitutivos de um Estado soberano com organização política, administrativa e jurídica próprias; um sistema econômico financeiro e cultural autônomo, exigindo também liberdade de crença religiosa e a implantação na província de uma universidade pública. Desde aquela época, o Recôncavo compreendia que a política, os direitos civis e a produção econômica são aspectos indissociáveis da ciência, da filosofia, das artes e da cultura, no desenvolvimento de uma nação.

É dessa consciência e força ancestral que nasce em 29 de julho de 2005 a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). A Câmara Santamarense reivindicou uma universidade para o Recôncavo, contudo o sonho seria adiado por mais um século, quando decisões políticas de governos progressistas retomaram e implementaram o maior projeto de expansão e interiorização do ensino superior no Brasil. Sua criação e implantação foi protagonizada por uma grande força política e com ampla participação dos povos do Recôncavo. Lideranças, artistas, intelectuais e pessoas do povo, mobilizados, mostraram sua disposição, lutaram bravamente e conquistaram a segunda universidade federal na Bahia.  

Criada por desmembramento da Escola de Agronomia da Universidade Federal da Bahia, a UFRB está enraizada no local. Suas fundações estão encharcadas pelos saberes e tradições ancestrais; pelo solo fértil do massapê; pelas comunidades das águas, os ribeirinhos, pescadores e marisqueiros; pelas comunidades agrícolas e quilombolas. Nas tramas e tranças dos artesãos, nas mãos criativas dos ceramistas, no empulsionamento do comércio e dos serviços, na beleza da diversidade dos tipos culturais e da estética identitária, a UFRB vai colaborando para mudar a paisagem, os cenários, produzindo conhecimento, ciência, tecnologia, arte e cultura, ao mesmo tempo em que forma jovens e adultos, profissionais e cidadãos.

Hoje, próxima a completar 13 anos, a instituição conta com sete centros de ensino em sete cidades, onde circulam 834 servidores docentes sendo 91% de mestres e doutores, 711 técnicos administrativos e cerca de 450 trabalhadores terceirizados e 12.345 estudantes.

A Federal do Recôncavo da Bahia elevou a oferta de vagas para além da capital do estado e comemora o crescimento do número de jovens baianos, em especial da população negra e pobre, com acesso ao nível superior de ensino, nos últimos anos. Desde a sua criação, a UFRB vem ganhando destaque no cenário nacional pela sua política de inclusão social. Suas ações de pesquisa e extensão se espalham pelos territórios se fazendo presente na vida dos povos, criando e trocando conhecimentos e saberes numa relação de complementaridade.

Vida longa a UFRB, posto que uma universidade é por natureza inconclusa, existe como ação, processo em permanente movimento de transformação.

Silvio Luiz de Oliveira Soglia
Reitor da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)



Artigo do Reitor da UFRB sobre os 13 anos de Educação no Recôncavo da Bahia

27 de Julho de 2018, 17:34, por UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - 0sem comentários ainda

No início do século XIX, o mundo ocidental vivia fortes ebulições políticas e sociais embaladas pelos ecos das grandes transformações do final do século XVIII. No Brasil, o clima era de radicalização pela independência política. As províncias baianas do Recôncavo, em especial Santo Amaro da Purificação, Maragogipe e Cachoeira, protagonizaram batalhas que derrotariam as forças portuguesas da região. Essa vitória foi decisiva para impulsionar a decisão do Príncipe Regente em proclamar a independência do Brasil.

A história da UFRB também é marcada na luta pela independência do Brasil quando em Santo Amaro, a Câmara de Vereança marca o seu tempo como farol e guia, ao propor os pilares constitutivos de um Estado soberano com organização política, administrativa e jurídica próprias; um sistema econômico financeiro e cultural autônomo, exigindo também liberdade de crença religiosa e a implantação na província de uma universidade pública. Desde aquela época, o Recôncavo compreendia que a política, os direitos civis e a produção econômica são aspectos indissociáveis da ciência, da filosofia, das artes e da cultura, no desenvolvimento de uma nação.

É dessa consciência e força ancestral que nasce em 29 de julho de 2005 a Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). A Câmara Santamarense reivindicou uma universidade para o Recôncavo, contudo o sonho seria adiado por mais um século, quando decisões políticas de governos progressistas retomaram e implementaram o maior projeto de expansão e interiorização do ensino superior no Brasil. Sua criação e implantação foi protagonizada por uma grande força política e com ampla participação dos povos do Recôncavo. Lideranças, artistas, intelectuais e pessoas do povo, mobilizados, mostraram sua disposição, lutou bravamente e conquistou a segunda universidade federal na Bahia.  

Criada por desmembramento da Escola de Agronomia da Universidade Federal da Bahia a UFRB está enraizada no local. Suas fundações estão encharcadas pelos saberes e tradições ancestrais. Pelo solo fértil do massapê, pelas comunidades das águas, os ribeirinhos, pescadores e marisqueiros; as comunidades agrícolas, quilombolas; nas tramas e tranças dos artesãos, nas mãos criativas dos ceramistas; no empulsionamento do comércio e dos serviços; na beleza da diversidade dos tipos culturais e da estética identitária, a UFRB vai colaborando para mudar a paisagem, os cenários, produzindo conhecimento, ciência, tecnologia, arte e cultura, ao mesmo tempo em que forma jovens e adultos, profissionais e cidadãos.

Hoje, próxima a completar 13 anos, a instituição conta com sete centros de ensino em sete cidades, onde circulam 834 servidores docentes sendo 91% de mestres e doutores, 711 técnicos administrativos e cerca de 450 trabalhadores terceirizados e 12.345 estudantes.

A Federal do Recôncavo da Bahia elevou a oferta de vagas para além da capital do estado e comemora o crescimento do número de jovens baianos, em especial da população negra e pobre, com acesso ao nível superior de ensino, nos últimos anos. Desde a sua criação a UFRB vem ganhando destaque no cenário nacional pela sua política de inclusão social. Suas ações de pesquisa e extensão se espalham pelos territórios se fazendo presente na vida dos povos, criando e trocando conhecimentos e saberes numa relação de complementaridade.

Vida longa a UFRB, posto que uma universidade é por natureza inconclusa, existe como ação, processo em permanente movimento de transformação.

Silvio Luiz de Oliveira Soglia
Reitor da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)



UFRB seleciona bolsistas para Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa

27 de Julho de 2018, 15:54, por UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - 0sem comentários ainda

A Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), por meio do Programa de Extensão Tecelendo, torna pública a seleção de bolsistas de graduação e pós-graduação para atuar em ações de extensão do Programa Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC). No total, são ofertadas cinco vagas.

As inscrições estarão abertas no período de 24 a 30 de julho. Os interessados devem encaminhar a documentação exigida para o e-mail [email protected], com o assunto “Seleção de Bolsista” até às 18h do último dia de inscrições. Podem se candidatar estudantes regularmente matriculados em cursos de licenciatura ou pós-graduação do Centro de Formação de Professores (CFP), campus da UFRB de Amargosa.

Dentre os requisitos, os candidatos não devem receber bolsas de estudos, pesquisa ou extensão e ter disponibilidade para as atividades do programa. A seleção constará de primeira etapa referente à avaliação curricular (currículo lattes e histórico escolar atualizados) e carta de intenção, conforme modelo disponibilizado em edital. A segunda etapa constará de entrevista, que ocorre nos dias 31 de julho e 1º de agosto.

O resultado final será divulgado no dia 02 de agosto, no site do CFP. Os convocados devem se apresentar na sede do Programa Tecelendo, também no dia 02, em Amargosa, para a entrega da documentação. As atividades propostas serão orientadas por professores da UFRB participantes do PNAIC, juntamente com a coordenação e serão desenvolvidas de maneira participativa.

O valor mensal da bolsa é de 700,00. O pagamento será realizado pela Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão (FAPEX). A vigência será até 31 de dezembro.

Sobre o Pacto - O PNAIC é um compromisso formal e solidário assumido pelos governos Federal, do Distrito Federal, dos Estados e dos Municípios, desde 2012, para atender à Meta 5 do Plano Nacional da Educação (PNE), que estabelece a obrigatoriedade de “Alfabetizar todas as crianças, no máximo, até o final do 3º (terceiro) ano do ensino fundamental”. A UFRB responde como Unidade Formadora no Estado da Bahia.

Confira o Edital Nº 04/2018 – Seleção de Bolsistas PNAIC.

Mais informações no site: www.ufrb.edu.br/cfp.



UFRB divulga abertura de inscrições para curso presencial de inglês em Amargosa

26 de Julho de 2018, 14:05, por UFRB - Universidade Federal do Recôncavo da Bahia - 0sem comentários ainda

A Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), por meio do Núcleo de Línguas do Programa Idiomas sem Fronteiras (IsF), divulga as inscrições para as novas turmas do curso de Inglês presencial no campus de Amargosa. As inscrições ficarão abertas até às 12h do dia 06 de agosto e devem ser realizadas através do item aulas presenciais no site http://isfaluno.mec.gov.br/.

O objetivo dos cursos é o de preparar os estudantes para a produção acadêmica, os exames de proficiência exigidos pelas universidades estrangeiras e para a experiência linguístico-cultural no processo de internacionalização.

Mais informações são encontradas no site www.ufrb.edu/isf, na página do Facebook ou no próprio site do Programa http://isf.mec.gov.br, ou envie a sua pergunta para os e-mails [email protected] e [email protected]. 

Confira os locais e dados dos cursos:

Centro

Curso

Nível

Horário

Carga Horária

Período aulas

CFP Amargosa

Compreensão escrita: artigos científicos

A2

(MEO 3)

Segundas e quartas

16:00 às 18:00

16 horas

13/08 a 12/09

 



Categorias

Bahia, Comunicação, Cultura, Formação, Marco Legal, Pesquisa e tecnologia, Políticas públicas, Relações internacionais, Saúde popular, Software, cultura e conhecimentos livres