Ir para o conteúdo
Mostrar cesto Esconder cesto

Tela cheia Sugerir um artigo

Informes e notícias sobre o processo da V Plenária Nacional de ES

12 de Janeiro de 2009, 22:00 , por Desconhecido - | Ninguém está seguindo este artigo ainda.

Carta Política da Plenária Estadual do Acre

27 de Setembro de 2012, 21:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Divulgado por [email protected]

Image

Nós, delegados e delegadas participantes da V Plenária Estadual de Economia Solidária realizada no município de Rio Branco, no período de 20 a 21 de setembro de 2012, com representação dos três segmentos (empreendimentos, entidades de apoio e assessoria e gestores públicos) estamos novamente em marcha, na construção e no fortalecimento da economia solidária no Brasil.

Aprofundamos o debate a cerca da ECOSOL à luz do tema "Economia Solidária: bem viver, cooperação e autogestão para um desenvolvimento justo e sustentável", como estratégia de desenvolvimento territorial, diverso e solidário como opção de organização popular e luta emancipada dos (as) trabalhadores (as) associados (as). A economia solidária é assim, uma proposta transversal e articulada com diversos temas, sujeitos e iniciativas para o enfrentamento e superação do modelo capitalista vigente. E, considerando a realidade da ECOSOL no estado do Acre, debatida nas 04 plenárias microrregionais com a participação de 198 delegados, assumimos nessa carta como movimento de ECOSOL, sociedade civil que somos, e pretendemos junto ao poder publico em âmbito municipal, estadual e federal apresentar as seguintes diretrizes:

* Realização de feiras municipais e estadual mensal para facilitar a comercialização dos EES.

* Integração territorial e luta pela continuidade das políticas publicas Assegurar como prioridade da região norte as questões rurais (ramais, logística de escoamento) reivindicando ações prioritárias e integradas e inseridas no PPA dos municípios e governos estadual e federal;

* Destinação de no mínimo 10% dos recursos provenientes dos royalties do pré-sal e gás natural para as politicas publicas em economia solidária da região norte. Distribuição de no mínimo 10% dos recursos provenientes dos royalties das hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio para investimentos em políticas publicas de economia solidária na Amazônia ocidental.

* Agregar nas ações da Economia Solidária a interface com a economia criativa da cultura de forma a gerar valorização do produto cultural dentro das feiras e eventos como estratégia de comercialização dos produtos da Economia Solidária e do fazer cultural;

* Garantir a Sustentabilidade do fórum através da implementação de marcos legais, convênios, programas e projetos; Garantir a continuação dos trabalhos dos agentes de desenvolvimento nos Programas do Governo Estadual e Municipal;

* Mobilização e sensibilização para as bandeiras da ECOSOL junto aos atores políticos (governos, prefeitos, vereadores, bancada federal, bancada estadual e demais parceiros).

* Articular/garantir a matricialidade de projetos e ações dentro das estruturas de governo como forma de garantir sustentabilidade das ações de ECOSOL (conhecimento e envolvimento e execução por parte de secretários e técnicos dos diversos setores);

* Realizar e manter atualizado diagnóstico mapeando a ECOSOL no estado do Acre (quem somos, o que fazemos, a quanto tempo, qual o volume de renda gerado);

* Que o diagnóstico da ECOSOL (hoje mapeamento) pratique por edital o processo de tetra competência: governo federal, entidades conveniadas, fórum e governos locais (estados, territórios e municípios);

* Garantir linhas de crédito específico para mulheres da ECOSOL;

* Garantir que todas as discussões e ações de descentralização de recursos que envolvem PDC's, consórcios de desenvolvimento local, agências de desenvolvimentos dos municípios e outros programas que incluem a economia solidária como estratégia de desenvolvimento da economia local; Identificar e fortalecer as identidades produtivas dos territórios (por exemplo açaí em Feijó);

* Garantir a realização da Feira Internacional PANAMAZONIA de Economia Solidária a cada dois anos no Estado do Acre; Articular junto aos movimentos sociais, com bandeiras comuns à economia solidária e realizar processo de aproximação e diálogo;

Baixe a carta em: http://www.fbes.org.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=1636&Itemid=99999999



Carta Política da Plenária Estadual do Mato Grosso rumo à V Plenária Nacional

27 de Setembro de 2012, 21:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Divulgado por [email protected]

Várzea Grande, 16 de setembro de 2012.

Caríssimos/as companheiros/as do Movimento de Economia Solidária, Sociedade Civil e demais movimentos sociais!

Nós, integrantes do Movimento da Economia do Estado de Mato Grosso, reunidos/as em III Plenária estadual, nos dias 14 a 16 de setembro de 2012, refletimos as conquistas e desafios do movimento nos últimos quatro anos e decidimos escrever uma carta para todos/as as/os integrantes do movimento, para a sociedade civil e para os outros movimentos sociais do Estado de Mato Grosso, partilhando os anseios e esperanças refletidos durante os três dias da Plenária.

Para o movimento de Economia Solidária queremos dizer que refletimos sobre o principio da autogestão: essencial para mantermos a nossa identidade. Nós, os Empreendimentos Econômicos solidários, onde as trabalhadoras e os trabalhadores fazem coletivamente a gestão de suas atividades, devemos nos avaliar

continuamente, para que as decisões sejam tomadas por todos os participantes do empreendimento. As entidades de apoio, gestores governamentais e outros parceiros, devem estar inseridos localmente nos Fóruns de Economia Solidaria. Nós confirmamos que o Fórum de Economia Solidaria (municipal, estadual e nacional) devem ser instancias máximas de decisão dentro do movimento social, espaço de dialogo entre os diversos sujeitos que constroem a economia solidária em nosso país, com objetivo de lutar por conquistas de políticas públicas para o fortalecimento do movimento. Cada pessoa, grupo, entidade... que faz o movimento de economia solidária nesse país é parte do Fórum de Economia Solidária. O movimento de Economia Solidária deve continuar desenvolvendo em sua essência, o trabalho em favor da vida, do ser humano, geração de renda com respeito às culturas locais, ao meio ambiente, gênero, diversidade, união das trabalhadoras e trabalhadores e formação de consciência para a transformação social. Desta forma a Economia Solidaria se torna uma proposta de mudança concreta, na forma como nos relacionamos com a produção e o consumo de produtos e serviços, sempre com foco no 'Bem Viver' de todos os povos, portanto: companheiros e companheiras continuemos animados/as, pois é certo que no estado de Mato Grosso o movimento de Economia Solidária esta vivo! Estamos prontas/os para assumir o papel de sujeitos empenhados/as na transformação local social, econômico, cultural, ambiental.

Aos movimentos sociais queremos dizer que por meio de práticas isoladas, aonde cada grupo vem fazendo a sua parte, um novo mundo já esta acontecendo; acreditamos que a inter-relação poderá nos fortalecer na solidificação desse novo mundo. Portanto, precisamos urgentemente somar forças na construção de agendas comuns na defesa e promoção dos povos das águas, dos campos, das cidades e do cerrado, do pantanal e das florestas, contribuindo com a aceleração da inclusão desses grupos no processo de construção desse novo mundo que já acontece. O Movimento de Economia Solidária, no estado de Mato Grosso, representado nesta plenária, por cada um de nós, esta aberto a negociações, e em cada canto deste estado, onde temos atuação, desejamos e esperamos contar com você, pois juntos/as somo mais fortes e capazes de potencializar nossas ações.

Com a Sociedade Civil queremos refletir sobre os movimentos dos trabalhadores de vários cantos do nosso Estado, paralelamente ao que acontece no país. O desemprego, perda de direitos sociais, demonstrações da insatisfação nas relações tradicionais de trabalho; a luta de classes e a conhecida exploração capitalista têm produzido miséria e morte. Sendo assim, o Fórum Estadual de Economia Solidária do Estado de Mato Grosso - FEES MT, reunido na Plenária Estadual rumo à V Plenária Nacional de Economia Solidária, convoca a sociedade para vir ao encontro do projeto político de emancipação econômica como alternativa. Expressamos, aqui, os anseios dos trabalhadores dos campos e das cidades que formam esse coletivo, o desejo de que o produto do nosso trabalho seja compartilhado no território, que possamos re significar o valor do trabalho, ter autonomia na decisão sobre a nossa capacidade de produção e comercialização, de forma justa e equilibrada, como garantia do Bem Viver e Conviver. Para tanto, precisamos de apoio no desenvolvimento dos programas de comercialização existentes, de forma equitativa e justa.

Como citado, o movimento de Economia Solidária no Estado de Mato Grosso, esta vivo e atuante, aliás, nunca foi diferente em sua trajetória histórica no Mato Grosso. Através de militantes anônimos, a luta foi construída passo a passo. Nessa Plenária, refletimos sobre nossa organicidade, em âmbito nacional, estadual e local, e apresentamos a seguir, a coordenação executiva atual do Estado do Mato Grosso. Assim Sendo, despedimo-nos cordialmente.

Coordenação Executiva:

Carmem Melo Castro e Silva (Segmento Empreendimento Urbano - Cuiabá) Fone: (65) 3027 0211 - [email protected];

Elizabete Maria da Silva (Seguimento: Empreendimento Rural - Rondonópolis); Fone: (66) 3426 7906, 3421 2662. 9951 7967 - [email protected], dasilvabet[email protected]

Gilmar Xavier (Segmento Empreendimento Urbano - Cuiabá) Fone: (65) 3661 2853. (65) 8405 7488 - [email protected]

Neuri Eliezer Senger (segmento do Governo - Prefeitura de Tangará da Serra): Fone: (65) 9638 4130/ 3311 4896 e-mail [email protected]

Neuzo Antonio de Oliveira (Seguimento Entidade de Apoio: Fetagri - Cuiabá) Fone: (65) 3223 2945 / 3623 4722/ 9943 1403 - [email protected]

Secretária Executiva: Elizabete Maria da Silva

Endereço para Correspondências: Avenida Frei Servácio, 354, La Salle, Rondonópolis/MT, CEP: 78710 - 750.

E-mail: [email protected], [email protected]

Baixe a carta em: http://www.fbes.org.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=1635&Itemid=99999999



Carta Política do Movimento de Economia Solidária de Alagoas

27 de Setembro de 2012, 21:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Divulgado por [email protected]

Reunidos nos dias 13 e 14 de setembro de 2012 na cidade de Maceió - AL, com a presença de representantes dos empreendimentos econômicos e solidários, representantes das entidades de apoio e fomento e representantes dos gestores públicos, nós, participantes da V Plenária Estadual de Economia Solidária em Alagoas reafirmamos o compromisso com a construção de um movimento de Economia Solidária que se afirme como alternativa ao capitalismo e construa novas relações de produção, de trabalho de comercialização e de consumo mais solidário e sustentável.

V Plenária Nacional de Economia Solidária "Economia Solidária: bem viver, cooperação e autogestão para um desenvolvimento justo e sustentável" FÓRUM ALAGOANO DE ECONOMIA SOLIDÁRIA - FAES. V Plenária Estadual de Economia Solidária em Alagoas. PLENÁRIA ESTADUAL DE ALAGOAS Carta Política do Movimento da Economia Solidária

Entendemos a Economia Solidária como estratégia de Desenvolvimento Sustentável para Alagoas e para o Brasil. Uma forma de organização da economia e da sociedade que reafirma os princípios da autogestão, da solidariedade, da partilha de conhecimentos e da viabilidade econômica em oposição ao capitalismo. Que preconiza a articulação nos territórios dos diversos atores sociais e econômicos presentes e que prioriza o respeito ás diversidades de cultura, biodiversidade, organização social e econômica. Que valoriza outras riquezas além do capital,como a diversidade cultural e os saberes tradicionais entre outras riquezas.

A construção de um modelo econômico que priorize o ser humano em suas todas as suas dimensões e que tenha como motivação principal o bem viver e não o lucro como única baliza na relação entre as pessoas, empreendimentos, entidades e governos. Há necessidade de pensar e desenvolver ações urgentes que garantam as condições de via no planeta para as próximas gerações através de uma economia que gere trabalho e renda sem degradar o meio ambiente respeitando o ciclo completo da natureza. Diante da conjuntura do Movimento da Economia Solidária em Alagoas nos comprometemos com:

a) O fortalecimento do Fórum Alagoano de Ecosol - FAES - como instância política de debate, decisões e reflexões do movimento de Ecosol, tendo como finalidade a organicidade do movimento com representatividade dos movimentos sociais e entidades e de afirmação contra ao capitalismo;

b) A prioridade na organização de Fóruns Municipais e Territoriais no Estado, bem como o fortalecimento e articulação do que já existe a exemplo do FOTES (Fórum Territorial de Ecosol do Médio Sertão de Alagoas;

c) O compromisso em qualificar os Grupos de Trabalho (GT's) para o aprofundamento sobre a organização do movimento bem como a proposição de políticas públicas nos campos da formação, produção e comercialização solidárias. Criação dos seguintes GT's: Mulheres; Educação e Cultura; Comercialização; Comunicação e Mobilização; Articulação Política com outros movimentos;

d) A Criação de um Fundo Solidário para subsidiar as atividades propostas pelo movimento representado no fórum estadual e desenvolvidas através da coordenação estadual e parceiros;

e) O engajamento e mobilização pela aprovação da Lei Estadual de Economia Solidária com a incorporação do segmento na Secretaria Estadual do Trabalho e a criação do Conselho Estadual de Economia Solidária;

f) O recolhimento de assinaturas no Estado para aprovação Lei Nacional de Economia Solidária.

Defendemos a implantação de políticas públicas que viabilizem as ações do Movimento de Economia Solidária de formação/articulação/mobilização através do Fórum Alagoano de Economia Solidária - FAES - com olhar especial no fortalecimento dos EEs priorizando a comercialização solidária através de feiras e de espaços públicos para inserção dos produtos dos empreendimentos solidários.

Por fim, reafirmamos a importância da articulação do movimento de Economia Solidária com a ampla participação dos empreendimentos econômicos solidários, das entidades de apoio e fomento e dos gestores públicos em parceria com o Movimento Social para a vivência concreta da cooperação e o desenvolvimento de ações/atividades a partir das localidades e dos territórios para a edificação de alternativas de articulação, mobilização, produção e comercialização dentro dos princípios da Economia Solidária desenvolvendo outras relações entre os trabalhadores, às organizações e o meio ambiente de forma sustentável e com justiça econômica/social. .Maceió - AL, 14 setembro de 2012.

Baixe a carta em: http://www.fbes.org.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=1634&Itemid=99999999



Plenária Estadual do Mato Grosso Rumo á V Plenária Nacional de Economia Solidária!

26 de Setembro de 2012, 21:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Fonte: Cirandas (www.cirandas.net)

Por Rosana Cruz

Image

Quanta alegria e quanta vida! Amigos e amiga, onde a comunicação se deu por meios de palavras vivas. Nos dias 14, 15 e 16 de setembro, em Varzea Grande/MT, aconteceu a Plenária Estadual de Mato Grosso com representantes de diversos município do Estado, entre esses: Rondonópolis, São josé do Povo, Guiratinga, Poxoréu, Alta Floresta, Juína, Cuiabá, Tangara da Serra e Vera.

A Plenária teve a seguinte programação: partilha das Plenárias Locais, o fortalecimento da Equipe do Fórum Estadual, formação de uma Secretaria Executiva do Mato Grosso, Eleger os/a representantes da Plenária Estadual na Plenária Nacional, entre outros. A Plenária teve o respaldado do Documento II em preparação a Plenária Nacional. Realizamos estudos em Grupos e debatemos em plenária a nossa Orientação Política- Debate e Proposição; Orientações Politicas para a elaboração da Carta para o movimento de Economia Solidária, os movimentos sociais e sociedade civil, ainda discutimos orientações de nossa Organicidade. Foi um momento muito importante e rico para o movimento de Economia Solidária no Estado de Mato Grosso, pela boa organização do evento, parcerias, e muita vida que aconteceu entre os Empreendimentos rurais e urbanos, entidades de apoio e gestores públicos. Na dança da ciranda, a energia passou de mão em mão, renovando a esperanças de cada um/a dos/as presentes motivando os/as delegadoas/os para estarmos presentes na V Plenária Nacional.



Fóruns estaduais tem até o dia 30/09 para envio dos documentos das plenárias estaduais

25 de Setembro de 2012, 21:00, por Desconhecido - 0sem comentários ainda

Por Comissão Nacional Organizadora

Image

Os estados que realizaram suas plenárias estaduais até o dia 21 de setembro devem encaminhar relatório, lista de presença, fichas de inscrição e fotos para [email protected], impreterivelmente até o dia 30 de setembro.

O mesmo vale para as plenárias temáticas e de balanço realizadas, que devem enviar sua documentação até 30/09.

Este é o calendário acordado e já com extensão para a construção da V Plenária Nacional de Economia Solidária, cuja participação será específica dos 800 representantes estaduais e cerca de 200 convidados definidos pela Comissão Nacional Organizadora.

Os estados de MG, RO, AP e RJ que excepcionalmente realizam suas plenárias após o prazo estabelecido, por conta da mobilização, devem enviar seus relatórios 1 semana após a realização de suas plenárias, ou seja:

Prazo excepcional para envio de documentação:

Amapá - 20/10

Minas Gerais - 05/10

Rio de Janeiro - 28/10

Rondônia - 18/10

Plenária Temática de Finanças - 25/10

Contamos com a colaboração de todos e todas as militantes da economia solidária, pois os relatórios e informações dos estados são a base para a construção do documento síntese para os debates e definições da V Plenária Nacional de Economia Solidária!

Economia Solidária: bem viver, cooperação e autogestão para um desenvolvimento justo e sustentável

Saiba mais da V Plenária em: http://cirandas.net/v-plenaria-nacional-de-economia-solidaria