Go to the content
Show basket Hide basket

Fórum Brasileiro de Economia Solidária

Go back to Internacional
Full screen Suggest an article

Declaração coletiva do Grupo de Trabalho da economia social, solidária, ambiental, direitos humanos

December 11, 2014 16:08 , by Fórum Brasileiro de Economia Solidária (Economia Solidária no mundo) - 0no comments yet | No one following this article yet.
Viewed 966 times

Fonte: Ripess

Marrakech- Convidados pelos organizadores do Fórum Global sobre os Direitos Humanos em Marrakech (Marrocos) realizado de 27 a 30 Novembro 2014, os representantes da economia social e solidária provenientes de todos os continentes se uniram para formular a presentes declaração, considerando o Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais adoptados pela Assembleia Geral das Nações Unidas em dezembro de 1966, a favor de todoas as outras partes integrantes,

Considerando que a permanência da pobreza a fragilidade da democracia no mundo em geral e na África em particular e a distribuição desigual da riqueza são obstáculos contra o progresso dos Direitos Humanos;

Considerando toda as discriminações contra ás populações vulneráveis, notadamente as populações de migração;

Todos os envolvidos, representantes dos diferentes regiões, nacionalidades e coletivamente, engajados nesse domínio, reunidos para definir o lugar da economia social e solidária - ESS - na ordem internacional de desenvolvimento e no caminho do progresso para um mundo justo:

Afirmando o apoio e a compaixão para com as populações que vivem dramas e desastres humanitários em todo o mundo, especialmente para as vítimas de inundações que atingiram recentemente o sul de Marrocos, bem como as populações africanas expostas á febre hemorrágica do Vírus Ebola;

Declarando a determinação de dar a ESS o lugar que merece no seio das diferentes políticas de desenvolvimento para enfrentar a injustiça econômica, a desigualdade entre os cidadãos, no quadro da alternativa das abordagens do desenvolvimento;

Considerando essencial reforçar o lugar das mulheres na sociedade e propiciar a todos os cidadãos e as cidadãs oportunidades iguais para ter acesso á educação, á saúde e ao desenvolvimento;

Considerando que a promoção das alternativas de abordagens do desenvolvimento equitativo deve ser em conformidade com os Direitos Humanos e através dos princípios do consenso, da consulta e da democracia participativa, permitindo a todos trazer as suas contribuições;

Recomendando aos podere públicos de acordar uma especial atenção no decorrer das práticas de participação exigida pela sociedade civil;

Esperando que os objectivos do Milênio pós-2015 da ONU abrem novos horizontes de compromissos para assegurar uma distribuição mais justa da riqueza e permitir ainda novas oportunidades de desenvolvimento equitativo, tendo em conta as realidades das regiões menos avançadas;

Considerando como indispensável a humanização e a socialização da previdência social e dos investimento financeiro para que o lugar da pessoa humana e seu ambiente estejam no centro dos objectivos de desenvolvimento;

Lembrando que a sociedade civil deve inscrever-se de forma concertada e responsável, na contribuição ás parcerias públicas - privadas, acordando ao mesmo tempo uma atenção particular a regulação social e econômica a favor das populações marginalizadas;

Acreditando finalmente que a ONU deve repensar suas medidas de apoio e de acompanhar as organizações e redes da sociedade civil para permití-los desfrutar de uma certa visibilidade internacional em comparação com as questões transnacionais e estatutos operacionais, aceites por todos e capaz de fazer emergir o trabalho das organizações regionais:

A este título, reclamamos as formas de implementação do plano de acção adoptado em 2012, em Nova York, no encerramento do Ano Internacional das Cooperativas;

Reconhecendo os fortes laços entre os direitos humanos e os valores da SSE, é recomendável que o crescimento econômico esperado para o continente africano esteja repartido em partes equitativas e de forma justa em benefício do desenvolvimento sustentável e inclusivo.

Apelando que os Estados aderem ao Grupo Piloto Internacional de Economia Social Solidária, lançado em paralelo com a Assembleia Geral das Nações Unidas em 22 de setembro, destinado suportar as políticas públicas a favor da SSE.

A todos e todas representantes da economia social e solidária provenientes de todos os continentes - coletivo associativo de economia social e solidária presentes no FDMH em Marrakech, 29 de novembro 2014.


Source: http://www.fbes.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=8596&Itemid=62

0no comments yet

    Մեկնաբանություն թողնել

    The fields are mandatory.

    Եթե դուք գրանցված մասնակից եք, դուք մեխանիկորեն կճանաչվեք համակարգի կողմից:

    Հրաժարում

    FBES - Fórum Brasileiro de Economia Solidária

    Brazil