Go to the content
Show basket Hide basket
Go back to Diário sobre o mundo....
Full screen

O valor ético da ideia de um ''decrescimento feliz''

October 18, 2011 22:00 , by Fernanda Nagem - 0no comments yet | No one following this article yet.
Viewed 193 times

Longe de constituir uma renúncia que mortifica as possibilidades de expressão da pessoa, o decrescimento, que implica a rejeição do consumismo e na abolição do supérfluo, é considerada por aqueles que a defendem como uma oportunidade – por isso, fala-se de crescimento "sereno" ou "feliz".

A análise é do economista italiano Giannino Piana, professor de ética cristã da Libera Università de Urbino e de ética e economia da Faculdade de Ciências Políticas da Universidade de Turim. O artigo foi publicado na revista italiana Jesus, 10-10- 2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

Eis o texto.

Apesar da crise econômica mundial, a convicção de que é possível um crescimento ilimitado ainda é muito difundida hoje, a tal ponto que se tornou a ideologia dominante da nossa sociedade. A medida de todas as escolhas pessoais e sociais segundo critérios mercantis e quantitativos, a afirmação de uma competitividade radical, a tendência de buscar o lucro imediato e o ganho fácil são axiomas que também estão na base dessa orientação e que adquiriram uma consistente credibilidade após o colapso dos sistemas de economia planejada dos países do socialismo real e da consequente revanche de uma forma de capitalismo selvagem favorecido pelo processo de globalização em curso.

A lógica que subjaz a essa ideologia da expansão contínua é a lógica do "ter" e do "consumir", que se apoia na criação de necessidades sempre novas, induzidas externamente mediante a pressão social – os meios de comunicação exercem uma função determinante a esse respeito – e em larga medida alienantes.

As consequências desse processo, que alguém definiu justamente como uma das piores e mais desastrosas utopias, são hoje visíveis aos olhos de todos. O acúmulo da riqueza privada com cada vez maiores espoliações coletivas e, por isso, com o incremente da marginalização social, o crescente endividamento dos Estados – o nosso [italiano] tem, a propósito, um primado pouco lisonjeiro –, a redução do trabalho a mercadoria com uma tendência ao redimensionamento dos salários e dos direitos e, por último (mas não último em ordem de importância), a amplitude da crise ecológica, por causa tanto da degradação ambiental, quanto da progressiva redução dos recursos disponíveis, denunciando a verificação de uma situação de implicações dramáticas.

Depois, se ampliarmos o olhar – como hoje é necessário fazer, dada a estreita interdependência existente entre os vários povos da Terra – para o contexto global, ficam evidentes os sinais do estado de grave desequilíbrio em curso e das profundas injustiças que são a sua causa. A economia dos países ricos, que cria formas de desigualdade intoleráveis na distribuição da riqueza, tanto entre as nações, quanto entre as classes sociais, descarrega o seu impacto global sobre os ecossistemas dos países mais pobres, acentuando as condições de desconforto em que vivem.

A consideração de que o crescimento não pode ser infinito, que tem limites que devem acabar por se impor, não é, por outro lado, nova em si mesma. Ainda no início dos anos 1970, o MIT (Massachusetts Institute of Technology), com o relatório sobre os Limites do Crescimento (Milão, 1972) – a tradução correta do texto original inglês seria, ao contrário, "Limites ao Crescimento" –, evidenciava claramente como o crescimento econômico não poderia continuar indefinidamente por causa da limitada disponibilidade de recursos naturais e da limitada capacidade de absorção das substâncias poluentes por parte do planeta.

A consciência desse fato cresceu nas últimas décadas, a tal ponto que há alguns que começaram a teorizar sobre o "decrescimento" – o primeiro a introduzir tal hipótese foi Serge Latouche[que estará no IHU em novembro], renomado economista e ecologista parisiense – como um caminho a ser seguido para restabelecer os equilíbrios quebrados e dar início a um processo de verdadeira humanização.

Longe de constituir uma renúncia que mortifica as possibilidades de expressão da pessoa, o decrescimento, que implica a rejeição do consumismo e na abolição do supérfluo, é considerada por aqueles que a defendem como uma oportunidade – por isso, fala-se de crescimento "sereno" ou "feliz" (essa última expressão é assumida particularmente pelo movimento fundado na Itália por Maurizio Pallante) –, isto é, como um meio para dar sempre mais espaço para os valores imateriais, aos valores relacionais em particular, e para melhorar a qualidade de vida.

Ela implica sobretudo a adoção de algumas escolhas prioritárias no campo socioeconômico e político, tais como a atenção privilegiada para assegurar a todos alimentos e medicamentos, a preocupação com a preservação da biodiversidade, a regulação do clima, a purificação das águas e do ar, a proteção contra as inundações, a prevenção a doenças etc. Mas também implica a adoção de escolhas pessoais específicas, tais como a prática da reciclagem dos resíduos, a preferência dada às energias alternativas, a abolição dos desperdícios alimentares e do abuso dos recursos naturais; e a lista poderia continuar.

O que está em jogo é, em última instância, cultural e ético. Trata-se de decidir se queremos atribuir o primado à busca do bem-estar econômico a todo o custo ou se queremos privilegiar a busca da felicidade, que implica também a limitação das necessidades materiais – especialmente se supérfluas ou alienantes – e a aquisição de estilos de vida capazes de abrir espaço para instâncias de valor que restituam à vida o seu verdadeiro sentido e favoreçam uma distribuição mais equitativa dos bens entre os homens.

Nessas condições, de fato, o decrescimento adquire um significado altamente positivo, pois se torna uma ocasião para um autêntico crescimento humano.


0no comments yet

    Մեկնաբանություն թողնել

    The fields are mandatory.

    Եթե դուք գրանցված մասնակից եք, դուք մեխանիկորեն կճանաչվեք համակարգի կողմից:

    Հրաժարում