Go to the content
Show basket Hide basket

Fazemos escolhas justas e saudáveis!

Go back to Conheça a RedeMoinho!
Full screen Suggest an article

Luta territorial em Olivença: 10 anos de espera do povo Tupinambá

Agosto 11, 2014 9:25 , by Feed RSS do(a) RedeMoinho - 0no comments yet | No one following this article yet.
Viewed 70 times

A partir do dia 01 de agosto de 2014, o povo Tupinambá de Olivença voltou ao processo de retomada de suas terras. Cansados de esperar que o Ministro da Justiça publique a Portaria Declaratória e dê continuidade ao processo de regularização do Território Tupinambá, que neste mês de agosto completa 10 anos. 

Cerca de 400 índios Tupinambá de diversas comunidades, próximas a Olivença, começou a voltar para as áreas que já havia sidas retomadas anteriormente, na noite do dia 01 de agosto até o dia 05, cerca de cinco áreas foram retomadas. Algumas inclusive com decisão de suspensão de reintegração de posse emitidas pelo Supremo Tribunal Federal em fevereiro deste ano. Conforme nota abaixo: 

“SL 758 / BA: Ante o exposto, defiro, em parte, a medida requerida e determino a suspensão das reintegrações de posse deferidas nas ações 0001966-04.2012.4.01.3301, 0001906-94.2013.4.01.3301, 0002994-07.2012.4.01.3301,8, 0000653-18.2006.4.01.3301, 0001973-93.2012.4.01.3301 e 0002678-62.2010.4.01.3301 até o trânsito em julgado das decisões de mérito a serem proferidas naqueles processos”.  Decisão proferida pelo Ministro Joaquim Barbosa, presidente do STF, em 24 de Fevereiro de 2014. 

Em documento divulgado pelas lideranças, as mesmas informam que além das áreas que existem uma decisão do STF, relatada acima, outras também foram retomadas devido ao abandono e outras ainda devido as ameaças que os indígenas vinham sofrendo por parte dos jagunços contratadas pelos fazendeiros para  “proteger” as fazendas. 

 

Entendendo o caso:

O processo de identificação da TI Tupinambá de Olivença teve início em 2004, como resultado de intensa pressão por parte dos indígenas. Cinco anos depois, 2009, a Fundação Nacional do Índio aprovou o relatório circunstanciado, que delimitou a TI em cerca de 47 mil hectares, estendendo-se por porções dos municípios de Buerarema, Ilhéus e Una. No momento, aguarda-se a assinatura, pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, da portaria declaratória da TI, para que o processo encaminhe-se para as etapas finais. Como se vê, a regularização da TI já dura dez anos, de modo que os prazos legais para a conclusão da demarcação, estabelecidos pelo Decreto no 1.775/96, vêm sendo sistematicamente violados. E assim os direitos dos povos indígenas e dos pequenos agricultores se tornam “moedas de troca”. 

 

O Ministério Público Federal já se pronunciou por varias vezes sobre este grave conflito, causado pela morosidade do Governo Federal. Para o Procurador da República Ovídio Augusto Amoedo Machado, “a conclusão do processo demarcatório é essencial para a pacificação da região, pois trará segurança jurídica para ambas as partes e eliminará o ambiente de incerteza sobre o real proprietário das terras em disputa”. 

 

Por sua vez, o procurador da República Eduardo Villas-Bôas afirmou que “a demarcação definitiva trará benefícios tanto aos índios – pelo reconhecimento do seu território tradicional – como aos fazendeiros, que receberão a indenização prevista em lei”.

 

Desabafo das lideranças

As liderança ainda informaram que existe uma proposta de audiência com o Ministério da Justiça até o final deste mês, solicitada pela assessoria do Ministério, mas até o momento esta não foi confirmada oficialmente. “Não suportamos mais tantas enganações, já foram realizadas diversas reuniões, até mesmo com o próprio Ministro Eduardo Cardoso, e nada tem sido resolvido. Enquanto isto estamos sendo acusados de um monte de crimes, presos e até mesmo vendo nossos parentes serem assassinados, do começo do ano até agora já foram mais de 10 assassinatos e nenhuma providencia tem sido tomada, e mesmo com a presença do exército, força nacional, policia militar, os nosso inimigos nos caçam e nos perseguem como se fossemos bichos. Por tudo isto decidimos retomar aquilo que é nosso por direito, é melhor morrer lutando por nossa terra, do que morrer de fome e sem dignidade”, desabafou uma liderança Tupinambá. 

 

Passados 10 anos do início do processo de regularização, apesar de todo o quadro de violência estabelecido no sul da Bahia, que atinge indígenas e pequenos agricultores, o governo brasileiro se mostra insensível à situação. E agora que as disputas eleitorais já estão em curso às perspectivas são ainda piores. 

 

Conselho Indigenista Missionário

Itabuna, 06 de agosto de 2014


Source: http://redemoinho.coop.br/blog/luta-territorial-em-olivenca-10-anos-de-espera-do-povo-tupinamba

0no comments yet

    Post a comment

    The fields are mandatory.

    If you are a registered user, you can login and be automatically recognized.

    Cancel