Ir para o conteúdo
Mostrar cesto Esconder cesto
Voltar a desaguares
Tela cheia

para este junho

12 de Junho de 2012, 21:00 , por Desconhecido - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 157 vezes
viva o mês de junho... os vestidos de chitas, o dançar junto, as saias girando... os afetos que crescem com o frio... aqui deixo um pequenino texto inspirado na festa junina do grupo de danças brasileiras baiadô em junho do ano passado. Queridos baidores e baiadoras, Gentes da saia rodada, da calça florida, dos pés e coração descalços, da festa nos olhos e do riso largo, da poesia de fitas e chitas. Compartilho com vocês, o que os meus olhos e o meu coração guardaram dos dias vividos entre a preparação da festa junina e o domingo em que dançamos na praça.
Na paisagem da lembrança, tantas cenas que entrelaçam gestos e afetos. Imagens que como florzinhas de “amor perfeito” eu colhi para enfeitar a casa, o coração. Lembranças que despertam em mim, sensações de uma doçura indizível. E que ao escrevê-las, as guardo imaginariamente numa caixinha de segredos feita de pano de chita e fita de cetim. Para que nela vivam as cores do tempo dançado no baiadô.   Entre os afazeres, de cortar, costurar, pregar, enfeitar, dançar, tocar e cantar, vejo nesses gestos, uma inocência que pra mim se traduz numa forma de rezar pela alegria do mundo.
Como esquecer os falatórios, as expressões dos rostos, os gestos do corpo, os risos, a linha e agulha nas mãos que confecciona flores de chita, que borda a bandeira, que tece os olhos de Deus, de homens e mulheres, de meninos e meninas. Um processo solidário, em que juntos, todos trabalham um mesmo “tecido chamado baiadô”  , bordando nele, memórias com fios de bem querer. Pontos cheios de suspiros...
Em mim dança a lembrança, da lua crescente no céu da nossa festa, da fé na prece que apressa Santo Antônio com querências de matrimônio. Dos versos cantados, do corpo girando e da saia rodando. Da poeira levantada no passo da dança, onde os pés nus acariciavam o chão da praça. Dos afetos partilhados na ciranda da dança e da vida.   
No domingo voltei pra casa, enamorada dessa simplicidade de sujeira nos pés, água nas mãos, cantiga na boca, acontecências que faz crescer lua cheia no coração. 
Uberlândia, ventos de outono em 2011.
Beijo vocês com o bem querer do meu amor.
Joyce

<
Fonte: http://desaguares.blogspot.com/2012/06/para-este-junho.html

0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.

    Cancelar