Ir para o conteúdo
Mostrar cesto Esconder cesto
Tela cheia

Trocando os Paradigmas - 1ª Feira de Trocas Ecoetrix Parquescola em Varginha

31 de Janeiro de 2014, 12:55 , por Ecoetrix Parquescola - 1Um comentário | 1 pessoa seguindo este artigo.
Visualizado 90 vezes

26 de agosto de 2013 descortina de vez o horizonte da Economia Solidária em Varginha. O Ecoetrix Parquescola, depois de promover encontros, palestras e debates acerca do tema, realizou neste dia sua 1ª Feira de Trocas. A coordenadora do evento, Marilaine Rabelo, afirma que as expectativas eram as mínimas possíveis, posto que ao se tratar de uma experiência nova na cidade não havia como traçar um prognóstico a respeito da participação das pessoas. “Vimos nosso empenho recompensado a cada nova troca realizada, através da cara de satisfação de quem trocava”, disse. “Somos gratos a todos que participaram direta ou indiretamente, provando que um grupo de pessoas determinadas em alcançar um objetivo comum fica forte”, concluiu. A feira ocorreu dentro da agenda de ações em prol da sustentabilidade que o Ecoetrix busca desenvolver. A proposta de estimular e incentivar uma nova cultura de consumo, oportunizando as pessoas novos meios de se relacionar com seus utensílios foi bem aceita tanto por quem, sabendo que a feira ocorreria, foi até lá disposto a realizar suas trocas, quanto por quem ocasionalmente passou pela praça e se inteirou do que estava acontecendo. O adolescente João Azevedo (16 anos), que trabalhou na organização da feira disse ter ficado surpreso com tudo, “teve gente que se prestou a ir em sua casa buscar algo para não perder a chance de participar, isso foi muito legal de ver”, disse o mesmo, empolgado com os resultados. A acessibilidade ficou garantida no evento, que aconteceu em uma das praças de maior visibilidade e fluxo de pessoas do centro da cidade, a praça do ET. As percepções geradas por esta experiência servirão como aprendizagens para a produção de eventos cada vez mais envolventes e engajados na causa de estabelecer em Varginha a política popular e pública da Economia Solidária. Neste sentido, lembra o inspirador, orientador e incentivador da Economia Solidária no Ecoetrix Parquescola, Marcos Arruda, que no marco do Consumo Consciente: REDUZIR MINHAS NECESSIDADES E O CONSUMO DE BENS MATERIAIS. Ao mesmo tempo, aumentar sempre mais a produção e o consumo de BENS IMATERIAIS: comunicação, beleza, ética, arte, afeto, amorosidade… (2) Valorizar as trocas via escambo. (3) Incentivar a criação de moedas sociais, complementares e alternativas ao real, para intermediar as trocas sem multiplicar-se sozinhas (como faz o sistema monetário capitalista). (4) Assim, estimular o sentimento de empoderamento da comunidade que participa, visando chegar ao planejamento participativo do desenvolvimento integral da comunidade. (5) Total transparência dos fluxos econômicos, publicando os custos e as margens de excedente adotadas por cada pessoa ou entidade que vende bens ou serviços. (6) Adotar o cálculo do CUSTO TOTAL, que inclui os custos econômicos, sociais e ambientais da produção de qualquer bem. (7) Adotar um sistema de indicadores do desenvolvimento autogestionário da comunidade que inclua todos os campos da vida que fazem parte do bem viver de cada pessoa, família e da comunidade como um todo. O trabalho segue, desde já, contando sempre com os parceiros e apoiados que estiveram presentes na 1ª Feira: Organização do Festival Nacional da Canção – FENAC, Colégio Marista de Varginha e especialmente os colaboradores voluntários do Ecoetrix Parquescola.

Uma cultura sustentável começa com a gente.

Texto-Wender Reis Fotos-Júlia Továr


Categorias

Região Sudeste, Minas Gerais, Alimentação, Artesanato, Confecção, fiação e tecelagem, Reciclagem, Educação e formação, Cultura, Economia, Finanças Solidárias, Software, cultura e conhecimentos livres, Comunicação, Comércio justo e solidário, Cultura, Consumo ético e solidário, Meio-ambiente, Juventude
Tags deste artigo: feira de trocas economia solidária consumo consciente parquescola ecoetrix varginha minas gerais

1Um comentário

  • F283bee3a26e2a013b7ee12b9aaf2ff6?only path=false&size=50&d=identiconChico
    30 de Novembro de 2014, 14:06

    Congratulações

    Quero parabenizá-los pela iniciativa.
    No texto acima,sublinho :"REDUZIR MINHAS NECESSIDADES E O CONSUMO DE BENS MATERIAIS. Ao mesmo tempo, aumentar sempre mais a produção e o consumo de BENS IMATERIAIS: comunicação, beleza, ética, arte, afeto, amorosidade… (2) Valorizar as trocas via escambo. (3) Incentivar a criação de moedas sociais, complementares e alternativas ao real, para intermediar as trocas sem multiplicar-se sozinhas (como faz o sistema monetário capitalista). (4) Assim, estimular o sentimento de empoderamento da comunidade que participa, visando chegar ao planejamento participativo do desenvolvimento integral da comunidade. (5) Total transparência dos fluxos econômicos, publicando os custos e as margens de excedente adotadas por cada pessoa ou entidade que vende bens ou serviços. (6) Adotar o cálculo do CUSTO TOTAL, que inclui os custos econômicos, sociais e ambientais da produção de qualquer bem. (7) Adotar um sistema de indicadores do desenvolvimento autogestionário da comunidade que inclua todos os campos da vida que fazem parte do bem viver de cada pessoa, família e da comunidade como um todo. " É para onde aponta o novo rumo civilizatório.Parabéns! Francisco


Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.

Cancelar