Ir para o conteúdo
Mostrar cesto Esconder cesto

Ecocivilização é uma cibercomunidade criada em torno da Proposta Para Ecocivilização.

Veja aqui Todo o conteúdo.

Tela cheia

Plutocracia Oculta e Violência Estrutural

15 de Junho de 2015, 11:52 , por Miro - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 568 vezes
Licenciado sob CC (by-sa)

Yin and Yang of world hunger

Desenho de David Revoy

O Estado serve prioritariamente aos grandes bancos e megacorporações. O que o Estado faz de bom pelo povo (a massa) é somente uma fração daquilo que o povo precisa ou exige; o Estado dá migalhas suficientes para evitar revoltas, enquanto distrai a população propalando as virtudes de uma “democracia” que não existe (no sentido literal da palavra).

Vivemos numa plutocraciasão os bilionários que mandam nos Estados e organismos multinacionais. São eles também que incentivam e amplificam um sistema econômico, político, cultural e ideológico fundamentado em indiferença aos seres sencientes (inclusive humanos) das gerações atuais e futuras, nos levando à beira da extinção ou condições socioambientais ultradegradantes.

A plutonomia revela a plutocracia

O "Concelho De Relações Exteriores", é uma entidade privada da qual fazem parte políticos, megaempresários, e personalidades públicas e que aparentemente é parte importante do chamado "governo oculto" dos EUA.

Em âmbito internacional há a Comissão Trilateral, que envolve poderosos de diversos países e é acusada de interferir nas políticas nacionais.

Os irmãos Koch coordenam um grupo de bilionários que promovem políticos alinhados aos seus interesses, golpes civis disfarçados de impeachment, revoluções coloridas e planejavam gastar quase um bilhão de dólares para influenciar as eleições presidenciais dos EUA, em 2016, utilizando seus 107 escritórios e 1.200 funcionários trabalhando em tempo integral: o triplo do que possui o Comitê Nacional do Partido Republicano. Financiam, em todo o mundoONG's que promovem revoluções ou destroem governos e partidos que prejudicam seus interesses; em apenas um ano investiram 200 milhões de dólares em "movimentos ativistas" nos EUA, revelando a força de seu partido secreto.

Pesquisa acadêmica conclui que os Estados Unidos Da América não são uma democracia, mas uma plutonomia ou oligarquia plutocrática. Ora, os EUA são a matriz econômica, política, ideológica e cultural do mundo, por isso a grande maioria dos outros países não difere muito neste aspecto, principalmente aqueles países que vivem à sua sombra, como Estados vassalos, tal o caso do Brasil, onde a elite plutocrática é ainda mais forte.

Impostos e concentração de renda

Matemáticos do Instituto Federal de Tecnologia de Lausanne, na Suíça, revelaram a rede corporativa que controla a economia mundial e a partir dela controla grande parte da política, da cultura e dos seres humanos. Essa oligarquia controla cerca de 60% das vendas realizadas no mundo. É uma rede intrincada e gigantesca que tenta extinguir nossas alternativas enquanto nos ilude com falsa liberdade de escolha, ao agregar diversas corporações, empresas e marcas com uma grande variedade de produtos e serviços que, na verdade, são controladas pelos mesmos senhores. Isso já não é o capitalismo original, mas sua consequência histórica: um totalitarismo econômico controlado por uma oligarquia mundial.

Concentração empresarial: muitas marcas pertencem às mesmas corporações.

 

 Esses plutocratas constituem o 1% da população mundial que concentra o equivalente ao que possui todo o restante da humanidade. Isso mesmo, essa elite dos 1% possui junto o mesmo que os outros 99% da humanidade possui conjuntamente. A Elite dessa elite, constituida por apenas 62 pessoas, concentra o mesmo que a metade mais pobre da população mundial. Isto quer dizer que 62 pessoas possuem, juntas, o mesmo que bilhões de pessoas possuem conjuntamente.

A elite plutocrática mundial é tão rica e poderosa que suas corporações privadas são mais ricas que a maioria dos países do mundo. Entre as 200 entidades econômicas mais ricas, 153 são empresas privadas: apenas 47 são países. Em 2015, as receitas conjuntas das dez maiores dessas empresas superaram as receitas de 180 países; comparativamente também foram superiores às da China, a segunda maior economia do planeta. No ranking das maiores entidades econômicas, a primeira empresa aparece na décima primeira posição: é a Wallmart, cujo valor de mercado a faz superar países como Espanha, Austrália e Países Baixos.

 

QUEM CRIOU E CONTROLA TUA MENTE?

Descobrimos uma plutocracia oculta, um regime semelhante a uma coalizão de senhores feudais, que utiliza a democracia como fachada para iludir o povo.

A partir de seu poder econômico essas empresas também desenvolveram grande poder político e ideológicopautando os principais aspectos da macrocultura mundial. Elas manipulam países, partidos políticos, ONG’s e moldam grande parte de nossos gostos, valores e atitudes. A mídia está a seu serviço; os veículos de comunicação atuam como instrumentos de doutrinação em massa.

Quem criou e controla tua mente?

Acima, alguns dos principais criadores e controladores das mentes de bilhões de pessoas.

 

A manipulção é tão vasta e profunda que chegam a inverter os fatos, transformando mocinhos em bandidos e bandidos em mocinhos. A grande mídia só defende a "liberdade democrática" quando utiliza este discurso para acusar a esquerda, pois geralmente essa oligarquia midiática defende golpes e ditaduras, desde que sejam de direita.

 

Veja abaixo o que o jornal Estadão, então chamado "O Estado De S. Paulo" publicou logo após o golpe de 1964.

 

 

QUAIS AS PRINCIPAIS EMPRESAS QUE CONTROLAM A MACROECONOMIA MUNDIAL?

O FED (Federal Reserve), o banco central dos EUA, é uma organização privada legalmente autorizada a emitir o dólar estadunidense, regular os juros e "fiscalizar" o setor bancário. Porém, ele é constituido por uma associação de bancos privados que regulamentam a si mesmos. Esta organização privada que atua como órgão estatal controla a política monetária e grande parte da política econômica dos EUA e, por consequência, controla grande parte da economia mundial.

Veja abaixo como os maiores bancos do mundo controlam o FED e como se ocultam num emaranhado empresarial:

FED: uma coalizão de bancos privados

Slides de André Luiz Ruiz, apresentados no 2º Seminário Transformações da Terra - “Revelando o que ninguém te conta!”
Acima, as cores das letras identificam as principais empresas.
Chamamos de os “QUATRO GRANDES” as seguintes empresas: BlackRock, State Street, Vanguard e FMR-Fidelity.
Observe que essas empresas são umas acionistas das outras, em investimentos cruzados; elas controlam-se reciprocamente e participam dos lucros umas das outras; um método que além de trazer vantagens financeiras, possivelmente objetiva também tentar dificultar a descoberta da ominosa oligarquia que pauta as principais características da macroeconomia mundial e, consequentemente, da geopolítica e da macrocultura globalizada.

 

O SISTEMA DE RESERVA FRACIONÁRIA

A riqueza e, consequentemente, o poder dos banqueiros fundamenta-se também no sistema bancário de reserva fracionária, um esquema fraudulento realizado com aprovação dos Estados. Este esquema é regulado por cada país, nos quais o Estado permite e protege a fraude praticada pelos banqueiros. Esta fraude consiste em o Estado exigir que cada banco possua em ativos apenas uma fração do crédito que eles ofertam. Por exemplo, quando a reserva exigida é de 10%, o banco pode emprestar até 10 vezes mais. Isto significa que os bancos criam dinheiro do nada e mantém a economia do país lastreada em meras promessas de pagamento (dívidas). Inexistindo ativos suficientes, as dívidas são, conjuntamente, impagáveis. Assim a economia fica num ciclo vicioso, dependente dos bancos, como o escravo que não sabe viver sem seu senhor.

Gráfico da Reserva FracionadaClique na imagem acima, para saber mais sobre a criação de dinheiro.

 

A ESCRAVIDÃO PELA DÍVIDA

Por outro lado, o endividamento dos países é realizado com a finalidade de restringir o poder do Estado, submetendo-o aos ditames dos banqueiros e demais capitalistas, os quais utilizam os Estados Unidos Da América como o Estado-mor. As forças bélica, econômica e midiático-ideológica dos EUA já estão comprometidas com práticas e valores desvinculados dos interesses de grande parte dos estado-unidenses. Estando o dólar sob controle de interesses privados, a economia mundial também submete-se a esses interesses, pois os EUA fazem de tudo para que sua moeda continue sendo utilizada como moeda internacional.

A dívida estatal, declarada como dívida "pública", é um sistema de escravidão coletiva imposto pelo Estado, a serviço dos banqueiros.

***

Tudo isto constitui uma das principais causas da atual violência estrutural que grassa no mundo.

Os micros, pequenos e médios empresários geralmente não sabem o que se passa nos bastidores das corporações multibilionárias e suas relações com o Estado. Esses empreendedores menores não são a causa do mal que destrói a Terra por meio de uma civilização suicida, na qual a maioria da humanidade é tratada como mercadoria, no mercado de trabalho, onde a vida humana é comercializada como mão de obra. Na civilização atual, somos todos escravos de uma elite multibilionária.

Mesmo assim, nossa vida seria bem pior se caíssemos diretamente nas mãos do sistema financeiro. O Estado, tanto para manter as aparências, quanto para não desmoronar, geralmente acaba por ceder às pressões populares, quando é muito grande o volume de pessoas defendendo uma mesma causa. Por isso, o Estado não está totalmente submetido aos nossos senhores bilionários; há um conflito entre as classes mais abastadas e as desfavorecidas, e o Estado é um mediador.

Para extinguir todo esse mal e impedir seu ressurgimento, não basta apenas regular o capitalismo, ele precisa ser extinto; e para fazer isso, sem dar chances ao seu retorno, é indispensável acabar com seu fundamento: a venalidade, a qual só existe graças à propriedade.

Porém, como é o Estado que legitima a propriedade, além de ser instrumento da classe dominante, nosso esforço deve ser pela superação tanto do Estado quanto do capitalismo, respectivamente substituindo-os pela sociedade horizontalmente organizada e pela Economia Da Dádiva, com Acessibilidade Estratégica Universal e Piso Existencial (itens 9, 8 e 12 da Proposta Para Ecocivilização).

Para alcançar este fim, desenvolvendo uma civilização que além de solidária seja também ecológica, ajude-nos a por em prática itens da Proposta Para Ecocivilização, a qual inclui: isonômica distribuição de poder, renda e de fontes de renda; educação libertária e cooperativista; o controle popular direto dos veículos de comunicação de massa; internet descentralizada, desconcentrada e distribuída. Estas seriam algumas medidas transitórias em direção a uma sociedade sem propriedade (privada e estatal), dinheiro e comércio, na qual os seres humanos sejam valorizados como humanos e não apenas como mão de obra. (Ver Carta Do Mundo Livre)

Este é um hipertexto, as referências estão nas hiperligações.

Refeito em 8 de dezembro de 2016.

Atualizado em 28 de janeiro de 2017.

Licença Creative Commons
O trabalho PLUTOCRACIA OCULTA E VIOLÊNCIA ESTRUTURAL de Miruí Araújo De Sá está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vídeos sobre Capitalismo, Plutocracia e Violência Estrutural.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Em breve, novidades em Ecocivilização, incluindo novos empreendimentos voltados à autossustentabilidade socioambiental e à aplicação de itens da Proposta Para Ecocivilização.

Para se manter atualizado, inscreva-se no feed RSS ou frequente a página principal: http://cirandas.net/ecocivilizacao

 


Categorias

Agroecologia, Articulações internacionais, Consumo ético e solidário, Cultura, Economia, Finanças Solidárias, Formação, Meio-ambiente, Organização do movimento, Pesquisa e tecnologia, Política, Políticas públicas, Produção, comercialização e consumo, Relações internacionais, Saúde popular, Software, cultura e conhecimentos livres
Tags deste artigo: geopolítica capitalismo anticapitalismo póscapitalismo filosofia ética ecologia sociedade cultura plutonomia plutocracia cooperativa cooperativo democracia democracia direta socialismo ecossocialismo socialismo libertário comunismo anarcocomunismo anarquismo anarquia anarcossocialismo anarcopacifismo anarquismo verde socialismo verde anarcoveganismo economia solidária economia baseada em recursos pacifismo revolução integral revolução rebelião insurreição sublevação motim social empreendedorismo social guerra história oligarquia corporativismo bancos riqueza pobreza violência estrutural fome concentração poder cooperativismo sociologia sustentabilidade projeto vênus carta do mundo livre ebr revolução verde revoluções tranquilas justiça social tecnologia social desenvolvimento social economia social paz política

0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.

    Cancelar