Ir para o conteúdo
Mostrar cesto Esconder cesto
Voltar a Consumo Consciente ABC
Tela cheia Sugerir um artigo

Uma nova discussão para os transgênicos

30 de Outubro de 2013, 7:55 , por Consumo Consciente ABC - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 171 vezes

Por Victor Dimitrov

Até o momento a tecnologia transgênica é sinônimo de perversidade com a natureza. Transgênicos são organismos, principalmente culturas agrícolas, com genes alterados para tolerar o uso de agroquímicos e doenças causadas pela falta de equitatividade do agroecossistema. Mas uma nova discussão dos transgênicos está sendo levantada. E se a genética das culturas agrícolas fosse alterada para tornar o alimento mais rico em determinada vitamina ou nutriente?

 

 

 

É o que está acontecendo nas Filipinas, o governo aprovou a produção do "arroz dourado", um tipo transgênico que possui um gene do milho e de uma bactéria, do qual sintetiza altas quantidades de betacaroteno que é fonte de vitamina A.

 

A notícia saiu em 3 de setembro de 2013 no Jornal Folha de S. Paulo informando que o governo filipino pretende investir no desenvolvimento dessa variedade com a intensão de combater a cegueira de crianças provocada pela falta de vitamina A, que afeta 250 mil a 500 mil crianças por ano.

 

Vários ativistas apontam que tal decisão do governo filipino vem com a intensão de criar uma nova discussão para a tecnologia transgênica, no sentido de dar a esses organismos importância para a saúde pública, mas os mesmos ativistas ainda não sabem o problema que esconde esse novo tipo de abordagem.

 

 

 

As empresas que pretendem controlar a evolução e os destinos da biodiversidade não poderiam chegar a níveis tão baixos como usar um pretexto de saúde para conquistar a opinião pública e tornar o transgênico uma alternativa, esses senhores estão numa corrida frenética para massificar o transgênico, isso encheria seus cofres e daria novos rumos para a economia mundial. A aquisição de betacaroteno pode ser feita por diversas outras fontes, por exemplo, damasco, cenoura, abóbora, beterraba, mamão, manga e batata doce. Por que criar uma variedade transgênica de um tipo de alimento para ser fonte desse nutriente? Tudo leva a crer que a máscara do transgênico de "exterminador da fome mundial" caiu, pois a tecnologia está alimentando muito mais os automóveis através dos biocombustíveis do que os seres humanos, sendo assim é necessária uma nova máscara para que a vida se torne propriedade e continue a elevação da taxa de lucro dos capitalistas e dessa vez eles estão com um mote que toca o coração das pessoas.

 

Reafirmamos que tanto a soberania quanto a segurança alimentar se faz a partir de investimentos na transição agroecológica, no conhecimento da biodiversidade, que fornece praticamente todos os nutrientes e elementos essenciais a vida. A agroecologia se preocupa com a inserção do sistema agrícola nos ciclos naturais e essa é a forma de erradicar doenças mais eficiente. Sintetizar os elementos vitais, envelopando o processo de produção e descartando o aprofundamento e a difusão do conhecimento sobre a biodiversidade significa privatizar a natureza. Somos contra esse tipo de manobra do capitalismo. Qualquer boa intensão dos pensadores favoráveis a tecnologia transgênica é passível de desconfiança e apreensão.

 

Notícia publicada pelo Jornal Folha de S. Paulo:

http://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2013/09/1335934-arroz-dourado-levanta-debate-sobre-transgenicos.shtml


0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.

    Cancelar