Ir para o conteúdo
Mostrar cesto Esconder cesto

Fórum Brasileiro de Economia Solidária

Tela cheia

O que é o CIRANDAS

4 de Março de 2011, 21:00 , por Daniel Tygel - 55 comentários | 3 pessoas seguindo este artigo.
Visualizado 13876 vezes

O Cirandas é uma iniciativa do FBES - Fórum Brasileiro de Economia Solidária - que tem como objetivo oferecer ferramentas na internet para promover a articulação econômica, social e política de quem gosta da Economia Solidária ou vive dela. Seus principais objetivos são: potencializar o fluxo de saberes, produtos e serviços da Economia Solidária; oferecer ferramentas para a constituição e consolidação de redes e cadeias solidárias; ser um espaço de divulgação da economia solidária e de busca de seus produtos e serviços para consumidores individuais e coletivos (públicos, privados e grupos de consumidores) e permitir a interação entre vários atores em comunidades virtuais e espaços territoriais, temáticos e econômicos.

A opção de desenvolvimento tecnológico do Cirandas foi criar, em parceria com a Colivre (um empreendimento solidário de desenvolvimento de softwares livres), o software Noosfero, que hoje é uma referência no universo de softwares livres no país, sendo também utilizado em outros países.

Para o acompanhamento técnico do Cirandas, o FBES realizou um termo de parceria com a cooperativa EITA (Educação, informação e tecnologia para autogestão) que realiza a gestão técnica, acompanhamento técnico de desenvolvimento, uso e apropriação do sistema Cirandas.net.

O Cirandas é baseado em 4 pilares fundamentais, que permitem a melhor compreensão sobre sua natureza e potencialidade:

Rede Social e CMS (Sistema de Gestão de Conteúdos)

Conteúdos, textos, documentos, e agenda de eventos são inseridos de maneira descentralizada por pessoas que não entendem nada de programação nem de linguagens de computador. Isso permite uma dinâmica e alimentação descentralizada dos conteúdos do sistema.

Cada usuário/a tem uma página própria. Nesta página, a pessoa pode ter seu blog, colocar suas idéias, fotos, eventos, mostrar de quais empreendimentos solidários participa, de quais empreendimentos costuma comprar produtos, os temas que lhe interessam, entre outras coisas.

Além disso, há as comunidades virtuais, em que cada usuária/o ou empreendimento pode participar. Estas comunidades podem ser comunidades territoriais, comunidades temáticas ou comunidades econômicas. As possibilidades de se relacionar, encontrar pessoas do movimento, trocar idéias e se articular politicamente são, assim, ilimitadas.

Organização em Recortes ou "Espaços"

Cada pessoa, texto, foto, evento, comunidade, documento ou qualquer outro tipo de conteúdo pode ser categorizado (no caso de pessoas, trata-se de "interesses" ao invés de "categorias"). Estas categorizações permitem que seja possível ao usuário entrar em portais específicos, chamados de "Espaços", e lá ficar sabendo tudo o que há no conjunto do sistema relacionado.

Quando o usuário entra num Espaço, é como se entrasse num portal dentro do sistema, em que tudo o que se vê tem a ver com a categoria escolhida. Existem 3 tipos de Espaços: Os territoriais, os econômicos e os temáticos. Eles são ferramentas que permitem ao usuário ver de forma organizada tudo o que se produz no Cirandas relacionado a temáticas, territórios e setores econômicos específicos, o que potencializa a organização em redes.

Inteligência econômica coletiva e solidária

O Cirandas se propõe também a ser um sistema que articula, processa e fornece informações privilegiadas a empreendimentos de Economia Solidária e consumidores organizados para a dinamização de fluxos comerciais solidários entre estes atores.

Hoje é de fundamental importância, nas empresas modernas, a implementação dos chamados ERPs (Enterprise Resource Planning) ou SIGE (Sistemas Integrados de Gestão Empresarial, no Brasil) para otimização dos fluxos organizacionais, de logística e transacionais. Entretanto, esse tipo de ferramenta costuma ser privado e ter um altíssimo custo, o que inviabiliza o seu uso por pequenos empreendimentos, e com isso pela grande maioria dos empreendimentos da Economia Solidária. Além disso, os ERPs são restritos à lógica interna do empreendimento, e portanto as informações não devem ser partilhadas com outras empresas, devido à lógica de concorrência e do valor do segredo empresarial nos processos produtivos capitalistas.

O Cirandas é uma tecnologia inovadora, pois além de ser uma rede social e se organizar em espaços, oferece instrumentos para a articulação econômica entre os empreendimentos em cadeias curtas, médias e longas e o fortalecimento de seus sistemas de logística e organização de fluxos de compra e venda, através de funcionalidades para divulgação, comercialização e logística de produtos e serviços da Economia Solidária.

A mais evidente destas funcionalidades é a disponibilização de site Web gratuito: há hoje no Cirandas os mais de 21 mil sites de empreendimentos solidários disponíveis, e destes estavam ativados em maio de 2014: 8003 usuários,
671 empreendimentos, 1863 produtos, 569 comunidades, números e utilização que cresce a cada dia. No site do FBES o Farejador que apresenta os mais de 3.000 produtos e serviços diferentes em uma complexa e vasta árvore, com dados do mapeamento nacional de 2007. Há várias outras funcionalidades em desenvolvimento, dentre as quais vale citar os Farejadores de Oportunidades (sistema georreferenciado que permite ao empreendimento solidário identificar fornecedores de matérias primas e compradores de seus produtos na sua região que sejam também da Economia Solidária); o sistema de partilha de rotas (banco de dados comum que armazena as rotas usualmente utilizadas por cada empreendimento para compra de insumos e venda de seus produtos/serviços e que avisa aos empreendimentos quanto a oportunidades de partilha de rotas entre os mesmos para otimização financeira e redução de danos ambientais); o sistema de gestão de coletivos de consumo (permitindo a grupos de consumo a gestão de listas coletivas de compras, encontrando fornecedores no Cirandas, além de instituições públicas ou privadas poderem lançar na forma de “pregão solidário” suas necessidades de compras que serão lançadas ao conjunto de empreendimentos no sistema); a disponibilização de informações relacionadas aos critérios do comércio justo e solidário (apresentação da composição do preço, origem dos insumos e matérias primas, certificações, etc).

Este pilar econômico é a inteligência mais profunda do sistema, que dá o seu grande diferencial enquanto um sistema da Economia Solidária, e contempla funcionalidades para empreendimentos solidários de produção, de comercialização, de serviços e de consumidores, além de funcionalidades para fóruns, redes e entidades poderem organizar planejamento e logística solidária. O interessante é que, diferentemente de ERPs tradicionais, a informação circula neste ambiente entre os empreendimentos solidários, criando uma inteligência coletiva mais ampla que potencializa o pequeno tamanho da grande maioria dos empreendimentos solidários.

Interoperabilidade e protocolos de comunicação com outros sistemas:

O Cirandas não é concebido como uma ferramenta única e exclusiva no oferecimento de ferramentas para empreendimentos de Economia Solidária e para as Redes, Fóruns e Conselhos existentes nos territórios. Desde o início, o Cirandas tem como base a interoperabilidade, ou seja, a capacidade de dialogar e interagir com outros sistemas, portais, sites e softwares existentes e em uso, tanto via web como softwares desktop.

Assim, um empreendimento que utilize um software para gestão interna de clientes, fornecedores e estoque deve poder, a partir deste mesmo software em sua máquina, fazer atualizações diretamente no site do empreendimento que está no ar no Cirandas, e vice-versa, apenas para citar um exemplo.

O Cirandas é uma experiência em andamento que procura aliar o que há de mais avançado no que diz respeito à gestão de informação em espaços na internet à construção de uma nova concepção sobre a gestão de informação que atenda à necessidade de uma economia justa. É um sistema construído para e pela nova economia possível e necessária, solidária e democrática.

Sistemas avançados de informação, logística e organização das redes e cadeias solidárias podem e devem ser desenvolvidos pela e para a Economia Solidária como parte da estratégia de consolidação das bases para um desenvolvimento sustentável, solidário, democrático e diverso a partir dos territórios.

O texto acima foi retirado do artigo
"Nova forma de gerir informação
para uma nova economia
"

(clique para baixar)


Categorias

Software, cultura e conhecimentos livres, Formação, Produção, comercialização e consumo, Comunicação, Pesquisa e tecnologia

55 comentários

  • 79c7a4ce203644b9dd22f10ef223ae25?only path=false&size=50&d=404Gilson Zonato da Luz(usuário não autenticado)
    28 de Janeiro de 2012, 15:48

    complexidade

    A idéia parece interessante, mas se depender desse artigo, creio que só serve para quem tem formação universitária ou pelo menos que seja uma pessoa muito bem informada. "Potencializar o fluxo de saberes", "sistema georreferenciado", "desenvolvimento sustentável, solidário, democrático e diverso a partir dos territórios"(?). Ainda eu, pobre artezão, estou sem saber o que devo fazer, o passo a passo que convém à minha parca inteligência.


  • 578810fb80776436bfed4295f12c005e?only path=false&size=50&d=404Jennifer(usuário não autenticado)
    14 de Janeiro de 2013, 19:48

     

    Quero, antes de mais nada, parabenizar os criadores desta iniciativa, mas concordo inteiramente c/ o Gilson. Sou professora universitária, de Economia, e confesso que tive dificuldade p/ entender algumas expressões desse texto "informativo" (mas nem tanto). E, exatamente por ser voltado para o estímulo a pequenos empreendedores, não deveria se restringir a um público "altamente letrado". Sugiro a substituição deste texto de apresentação por outro mais claro que, certamente, irá contribuir para atrair mais interessados no tema.


  • P 20170901 210916 minorjana quilombo
    28 de Julho de 2013, 2:01

     

    Adorei a proposta e acho que contribui muito com a economia solidaria e de forma geral com a economia do pais já que já é comprovado por pesquisas que a falta de emprego é suprida de certa forma justamente por economias informais.


  • Ccf84fc40ac1965f646cc18b15c11503?only path=false&size=50&d=identiconivoni gama
    12 de Março de 2014, 7:42

    Duvidas

    Acabo de receber um email onde no rodapé tinha a assinatura do seu email CIRANDAS.NET. Estou achando no mínimo estranho pois se trata de oferecer "dinheiro", mesmo que seja para realizar um trabalho social!!! Preciso da validação ou orientação de vcs.


    • Eu com violao 2011 minordaniel
      19 de Agosto de 2014, 19:35

       

      Oi Ivoni, qual foi o e-mail que você recebeu? Teria como enviar ao [email protected] ? Se foi um e-mail a respeito do aplicativo do cirandas no facebook, tá tudo bem: era uma campanha de arrecadação das pessoas para ajudar a concretizar este projeto. E deu certo! Faltando somente 6 horas para terminar o prazo, conseguimos atingir a meta! Saiba mais aqui: cata​rse.​me/p​t/ci​rand​asno​face


Enviar um comentário

Os campos são obrigatórios.

Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.

Cancelar

FBES - Fórum Brasileiro de Economia Solidária

Brazil