Ir para o conteúdo
Mostrar cesto Esconder cesto

Fórum Brasileiro de Economia Solidária

Voltar a Artigos e reflexões
Tela cheia Sugerir um artigo

Retrospectiva 2015: A luta das mulheres (Revista Fórum)

19 de Dezembro de 2015, 10:34 , por Fórum Brasileiro de Economia Solidária (Artigos e reflexões) - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 218 vezes

"As mobilizações em torno da luta pelos direitos das mulheres vêm se intensificando tanto nas redes, quanto nas ruas. Entre campanhas como a do #PrimeiroAssédio e contra a aprovação do PL 5069/13, uma série de eventos contribuiu para que o grito feminino de "basta" fosse ouvido com mais força. Como de costume, a reação machista não demorou a vir."

http://cirandas.net/thumbnails/0030/2881/SAM_2950_display.JPG"/>

"Esses e outros assuntos de relevância nacional e internacional foram acompanhados pela Fórum ao longo do ano e, nessa edição especial de retrospectiva, pode-se relembrar as reportagens já publicadas sobre os temas. A análise a respeito do que passou funciona principalmente - como toda boa resolução de Ano Novo - para uma reflexão aprofundada sobre o tipo de futuro que queremos e o que é possível fazer para transformá-lo.

Boa leitura."

A luta das mulheres mais forte do que nunca

São Paulo acordou no último final de semana ainda na ressaca do ato organizado por coletivos feministas contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Na sexta-feira (30), http://www.revistaforum.com.br/blog/2015/10/mulherescontracunha-o-ato-em-imagens/">cerca de 15 mil mulheres marcharam por mais de três horas da Avenida Paulista à Praça da Sé, no centro, contra a retirada de direitos conquistados a duras penas. Dois dias se passaram, mas o grito feminino e feminista não arrefeceu: já na segunda-feira (2), a campanha #AgoraÉQueSãoElas bombou nas redes e pipocaram textos e depoimentos de mulheres de diferentes áreas do saber em blogues, portais, jornais, revistas e canais do Youtube, entre outros meios e veículos de comunicação.

Nas palavras da professora e doutora em Relações Internacionais Manoela Miklos, sua idealizadora, a ação consiste em "uma semana de mulheres ocupando os espaços masculinos de fala. Homens convidam mulheres para escrever no seu lugar e se colocam nesse lugar do ouvinte. Dando voz e vez a uma mulher. Reconhecendo a urgência da luta feminista por igualdade de gênero e o protagonismo feminino nesta luta".

Desde o início do projeto, já participaram nomes como a editora da Companhia das Letras, http://m.folha.uol.com.br/colunas/alexandrevidalporto/2015/11/1701399-mulheres-tem-pouca-voz-na-literatura-e-na-grande-imprensa.shtml?mobile">Sofia Mariutti, na coluna de Alexandre Vidal Porto; as jornalistas e escritoras http://negrobelchior.cartacapital.com.br/elas-sao-muitas-nao-so-em-numero-%e2%80%8eagoraequesaoelas/">Bianca Santana e http://www.revistaforum.com.br/wp-admin/(http://negrobelchior.cartacapital.com.br/por-uma-consciencia-negra-e-feminista/">Jarid Arraes, no Blog do Negro Belchior; http://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2015/11/02/a-internet-odeia-as-mulheres-e-ninguem-ve-problema-nisso/">Juliana de Farias e Luíse Bello, do coletivo feminista Think Olga, e a filósofa http://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2015/11/04/o-corpo-da-mulher-negra-como-pedaco-de-carne-barata/">Djamila Ribeiro, no Blog do Sakamoto; a psicanalista http://www1.folha.uol.com.br/colunas/contardocalligaris/2015/11/1702176-abortemos-o-projeto-de-cunha.shtml">Maria Rita Kehl, na coluna de Contardo Calligaris; entre outras.

A mobilização em torno do #AgoraÉQueSãoElas é parte de um processo que se iniciou há pouco mais de duas semanas, com a estreia do programa MasterChef Júnior na noite do dia 20 de outubro. Durante a transmissão do primeiro episódio, como de costume, o Twitter foi inundado por mensagens relativas à atração da TV Bandeirantes. Dentre a avalanche de tuítes e memes, alguns não puderam ser ignorados: seu alvo era uma das participantes, de apenas doze anos. Com teor sexual, faziam menção à aparência física da menina e a colocavam em situações que uma criança como ela sequer compreende.

A jornalista Carol Patrocinio, diante da situação, escreveu um http://www.revistaforum.com.br/blog/2015/10/a-polemica-do-masterchef-junior-e-a-afirmacao-da-cultura-do-estupro/">texto sobre a íntima relação entre o assédio à "chef júnior" e a cultura do estupro, ao mesmo tempo tão comum e negligenciada em nossa sociedade. A revolta diante dos comentários motivou, logo em seguida, a campanha http://www.revistaforum.com.br/blog/2015/10/em-campanha-no-twitter-mulheres-relatam-primeiros-casos-de-assedio-que-sofreram/)">#PrimeiroAssédio, criada pelo Think Olga, que incentivou as mulheres a compartilharem nas redes os primeiros casos de assédio de que foram vítimas. Em cinco dias de mobilização, a hashtag foi replicada 82 mil vezes, entre tuítes e retuítes.

Os fortes relatos publicizados por aquelas que decidiram quebrar o silêncio impressionaram os internautas e provocaram acalorados debates. Ao avaliar os dados, mais um choque: o Think Olga descobriu que, num grupo de 3.111 tuítes analisados, a idade média em que o primeiro assédio ocorreu era de 9,7 anos. Na nuvem construída a partir das mesmas postagens, palavras como "casa", "escola", "pai" e "vizinho" apareceram em grandes proporções, indicando que foram frequentemente citadas (leia mais ).

Protesto contra Eduardo Cunha e o PL 5069/13 no Rio de Janeiro (Foto: Mídia NINJA)

Protesto contra Eduardo Cunha e o PL 5069/13 no Rio de Janeiro (Foto: Mídia NINJA)

Com tudo isso, coincidiu a aprovação, na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara, do http://www2.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=565882">projeto de lei 5069/13, de autoria de vários deputados; entre eles, Eduardo Cunha. O PL, além de tornar crime o anúncio de meios ou métodos abortivos e determinar punição a quem induz, instiga ou auxilia num aborto, dificulta o acesso de mulheres vítimas de violência sexual aos procedimentos de interrupção da gravidez fornecidos pelo Estado. Se agora a palavra da mulher é soberana, após um estupro, caso aprovada a matéria, ela terá de registrar boletim de ocorrência e se submeter a exame de corpo de delito para poder exercer o direito ao aborto, garantido por lei desde 1940 (leia mais ).

Outro evento importante sucedeu esses episódios: o Exame Nacional do Ensino Médio. No sábado (25), primeiro dia de provas, uma http://www.revistaforum.com.br/blog/2015/10/com-simone-de-beauvoir-enem-teve-questao-sobre-feminismo/">questão sobre a filósofa francesa Simone de Beauvoir causou alvoroço. No domingo (26), os concorrentes conheceram a proposta de redação, que caiu como uma luva após uma semana marcada por denúncias de assédio e abuso sexual: "A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira". Fervilharam nas redes comentários contrários ao Enem - figuras reacionárias como http://www.revistaforum.com.br/blog/2015/10/bolsonaro-feliciano-e-constantino-criticam-questao-sobre-beauvoir-no-enem/">Jair Bolsonaro (PP-RJ) e Marco Feliciano (PSC-SP) comandaram o coro. Houve até vereadores subindo à tribuna da Câmara em Campinas, no interior de São Paulo, para aprovar uma http://www.revistaforum.com.br/blog/2015/10/nao-e-sensacionalista-vereadores-de-campinas-sp-aprovam-mocao-de-repudio-a-simone-de-beauvoir/">moção de repúdio contra Beauvoir. Teve também promotor de Justiça chamando a pensadora de http://www.revistaforum.com.br/blog/2015/10/promotor-chama-simone-de-beauvoir-de-baranga-francesa/">"baranga francesa".

Na semana seguinte, a resposta das mulheres brasileiras à reação conservadora veio em forma de protesto. Começou pelo Rio de Janeiro na quarta-feira (28), passando por São Paulo na sexta (30) e Porto Alegre, na última terça (3). Novos atos estão sendo marcados e a expectativa é de que sejam ainda maiores.

Embora o movimento feminista, em suas diversas correntes, venha há algum tempo ocupando as redes - e se fortalecendo por isso -, é inegável que as mobilizações das últimas semanas atingiram magnitude inédita e conseguiram se transportar para as ruas com força semelhante à que mostraram no Twitter e no Facebook. Em http://blogdosakamoto.blogosfera.uol.com.br/2015/11/04/vao-morrer-mais-mulheres-negras-e-pobres-e-a-culpa-sera-do-congresso/">texto publicado no Blog do Sakamoto para a campanha #AgoraÉQueSãoElas, a jornalista e escritora Laura Capriglione considera que a luta pelo direito das mulheres vem ganhando mais espaço e projeção por conta de um "novo tipo de feminismo".

"Trata-se de um feminismo que tem como ponto de partida o compartilhamento generalizado de experiências individuais dolorosas. Milhares de testemunhos agora públicos sobre o #PrimeiroAssédio permitiram a cada menina/jovem/mulher entender que pertence a uma parte da humanidade tratada como presa de outra parte, dos caçadores. E, de repente, houve uma coagulação de solidões em um 'nós' comum - uma menina juntando-se a outra e mais a outra", argumenta. "Essas mulheres não tolerariam que mais um boçal como Eduardo Cunha viesse tocar em seus corpos, como tantas outras vezes ocorreu", destaca.

Para Vanessa Rodrigues, uma das fundadoras e diretora executiva da ONG feminista Casa de Lua, as recentes manifestações significam um sinal de "basta" vindo das mulheres. "Acho que tudo isso subiu a fervura de nossa profunda exaustão. Quando a gente pensa que estão querendo mexer em direitos que já tínhamos garantidos, piorando mais ainda o atendimento a mulheres estupradas, já tão falho, nos damos conta do quão pouco valemos nesse jogo político", explica. "Já sabíamos que não avançaríamos no debate da legalização do aborto. Mas o risco de retroceder é muito assustador. Isso foi muito mobilizador. Até mesmo o 'Enem Feminista' pode ter influenciado na disposição em ir pras ruas." (Leia o texto de Vanessa para a campanha #AgoraÉQueSãoElas).

A definição de um inimigo nítido, expressa na figura de Eduardo Cunha, também contribuiu para instigar a movimentação das mulheres, avalia a antropóloga Caroline Freitas, professora da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP). "É mais fácil lutar e resistir quando há um inimigo evidente. Lutar contra o patriarcado e o machismo é algo difuso. Temos feministas e coletivos feministas históricos e importantíssimos no Brasil, mas essa mobilização teve a ver com uma pauta bem objetiva: há essa pessoa bem identificável que é o autor do projeto de lei, e há o projeto de lei específico."

As mobilizações das últimas semanas conseguiram se transportar para as ruas com força semelhante à que mostraram no Twitter e no Facebook (Foto: Caio Santos/Jornalistas Livres)

As mobilizações das últimas semanas conseguiram se transportar para as ruas com força semelhante à que mostraram no Twitter e no Facebook (Foto: Caio Santos/Jornalistas Livres)

Para além de conferir visibilidade à luta das mulheres, as articulações das últimas semanas podem provocar avanços na sociedade, ou ao menos ajudar a frear retrocessos? Rodrigues acredita que há essa possibilidade. "A adesão às marchas do 'Fora, Cunha' em algumas cidades é um bom exemplo disso. É parte, é causa e consequência, se alimenta e alimenta a onda. Precisamos ocupar as ruas, a política, a mídia. Precisamos fortalecer o ativismo, para que cheguemos a todas, incluindo a quem e onde as hashtags não chegam. Vejo mulheres cada vez mais jovens se identificando como feministas, se organizando em coletivos na escola. Então, quero muito acreditar que apesar da contra-ofensiva conservadora, há um fortalecimento no ativismo. Que pode ser um outro feminismo no qual muitas de nós vínhamos militando, mas, que está inserido, é dialético", considera.

Na concepção de Freitas, as mais recentes ações protagonizadas por mulheres têm o potencial de ao menos gerar reflexões. "O texto da Djamila Ribeiro, no Blog do Sakamoto, por exemplo: penso que se ele servir para as pessoas entenderem o que é o feminismo interseccional já foi um baita gol de placa, porque mesmo as feministas brancas têm dificuldade de compreender a importância da interseccionalidade", coloca.

A reação

"Sempre que há um avanço feminista, vem uma forte reação antifeminista misógina". A ponderação é da professora universitária Lola Aronovich, que conversou com a Fórum sobre os ataques que vem sofrendo há cerca de quatro anos por causa do conteúdo de seu blog, o Escreva Lola Escreva, que se tornou referência nas discussões sobre igualdade de gênero no país.

São diversas ameaças de morte e de estupro, além de calúnias publicadas sobre ela na internet. A atitude mais recente de um grupo especializado na disseminação de ódio nas redes foi a criação de um http://www.revistaforum.com.br/blog/2015/11/site-que-prega-discurso-de-odio-e-criado-em-nome-de-lola-aronovovich/">site falso em seu nome, que pregava o infanticídio de meninos, a queima de bíblias e a venda de remédios para a realização de abortos.

A página chegou a ser divulgada por pessoas como o filósofo Olavo de Carvalho e o roqueiro Roger, o que ajudou a espalhar as mentiras inventadas pelos criminosos. Para a blogueira, as ações de intolerância que vêm surgindo nos últimos tempos podem ser uma resposta aos avanços da luta feminista e precisam ser avaliados com todo o cuidado. "Misóginos continuam com o mesmo discurso de sempre e têm amplo espaço nos meios de comunicação, muito mais do que ativistas que lutam contra esse discurso", afirma.

Um exemplo dessa cultura discriminatória foi o http://www.revistaforum.com.br/blog/2015/11/no-facebook-as-paginas-feminismo-sem-demagogia-e-jout-jout-prazer-sao-derrubadas/">ataque a outras fanpages com propostas similares à dela, como a "Feminismo sem Demagogia" e a "Jout Jout Prazer". A primeira foi derrubada e replicada com posts de deboche às mulheres. Já a segunda permaneceu fora do ar por aproximadamente dois dias, após chamar a atenção para o debate em torno do assédio sexual com o vídeo "http://www.revistaforum.com.br/blog/2015/10/nao-sabe-o-que-e-assedio-sexual-veja-este-video/">Vamos fazer um escândalo".

A ação teria sido orquestrada por retaliação pela retirada da página "Orgulho de ser hétero" do Facebook, que contava com dois milhões de seguidores e se tornou conhecida por compartilhar mensagens machistas e homofóbicas. Apesar das denúncias, ela não demorou para estar de volta. "Renascemos das cinzas, livres das cicatrizes, mais fortes e renovados" foi o recado deixado pelos administradores, já acostumados com a impunidade.

"Vejo mulheres cada vez mais jovens se identificando como feministas", afirma diretora executiva da ONG Casa de Lua (Foto: Ian Maenfeld/Jornalistas Livres)

Outro caso de reações violentas contra ativistas aconteceu no Rio Grande do Sul na noite de domingo (1), http://www.revistaforum.com.br/blog/2015/11/em-porto-alegre-mulheres-protestam-contra-violencia-policial-na-feira-feminista/">quando um grupo de mulheres foi atacado por policiais militares durante a Feira do Livro Feminista e Autônoma de Porto Alegre (Flifea). De acordo com o relato das participantes, nove mulheres saíram feridas, vítimas de chutes e cassetetes usados na intervenção da PM.

Ainda segundo o relato, a polícia teria sido chamada pelos vizinhos, incomodados com o barulho do evento, onde acontecia um ensaio de teatro. Logo depois que a primeira viatura foi embora teriam voltado seis, com cerca de quatro policiais em cada uma, decididos a dispersar à base de agressões as cerca de trinta mulheres presentes, incluindo uma grávida. As que tentavam fugir foram perseguidas e derrubadas pelos agentes.

Assim como outras militantes, Lola Aronovich acredita que boa parte das atitudes extremas vistas recentemente tem a ver com o tratamento dado pelo Exame Nacional do Ensino Médio às discussões de gênero, considerado um marco. "Esses últimos ataques contra mim e outras feministas podem ter relação com o que é visto como uma vitória recente do feminismo, que foi a prova do Enem, que fez 7 milhões de jovens refletirem sobre Simone de Beauvoir e sobre a violência contra mulher", observa.

E ela ressalta que ainda há um longo caminho pela frente. "Esses ataques só reforçam o que todas já sabíamos: que o feminismo ainda tem muito o que combater", conclui. Mas, enquanto houver esse tipo de reação opressora e punitiva à busca pela igualdade de direitos, as mulheres continuarão em marcha. A luta, apesar de antiga, parece se renovar a cada geração disposta a dar fim às chagas herdadas de uma sociedade moldada pelas imposições do patriarcado.

Foto de capa: Lina Marinelli/Jornalistas Livres


Fonte: http://www.fbes.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=8771&Itemid=62

0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.

    Cancelar

    FBES - Fórum Brasileiro de Economia Solidária

    Brazil