Ir para o conteúdo
Mostrar cesto Esconder cesto

Fórum Brasileiro de Economia Solidária

Voltar a Novidades da Economia Solidária
Tela cheia Sugerir um artigo

Documento da ASA propõe diálogo com o Plano Brasil Sem Miséria

23 de Junho de 2011, 21:00 , por Desconhecido - 0sem comentários ainda | Ninguém está seguindo este artigo ainda.
Visualizado 213 vezes

Fonte: www.asabrasil.org.br

A Articulação no Semiárido Brasileiro (ASA) publicou, esta semana, o documento intitulado O Lugar da Convivência na Erradicação da Extrema Pobreza que traz reflexões e propostas para a garantia plena do acesso à água para todas as pessoas no Semiárido.

O objetivo da rede, que vem atuando de forma articulada no campo da convivência com o Semiárido há mais de dez anos, é dialogar com o Plano Brasil Sem Miséria, lançado recentemente pelo Governo Federal e que apresenta como um dos principais desafios, o abastecimento de água, principalmente na região semiárida.

O texto, além de fazer uma caracterização da região, apontando os seus desafios e potencialidades, propõe algumas questões na execução do Plano como a necessidade de envolver outras redes e movimentos sociais nas ações de formação e construção de tecnologias de captação e armazenamento de água de chuva. O material também sugere que sejam contempladas as quatro linhas de acesso à água - água de beber, água de produzir, água comunitária e água de emergência; e que sejam reconhecidos os esforços de diferentes segmentos sociais nesse processo, sem perder de vista as especificidades de cada um - sociedade civil, poder público e empresas privadas.

Documento no site do FBES em www.fbes.org.br/?option=com_docman&task=doc_download&gid=1413&Itemid=99999999

Segundo o coordenador executivo da ASA, Naidison Baptista, a rede pretende contribuir na execução do Plano a partir de sua experiência, valorizando a metodologia já utilizada pela ASA que envolve a mobilização social, indo além da construção de cisternas.

"A expectativa é que a gente possa oferecer ao governo elementos de reflexão para qualificar o programa de erradicação da pobreza, para caminharmos efetivamente na universalização da cisterna e do direito à água e da segurança alimentar. Enquanto sociedade civil, estamos fazendo nossa parte, que é sugerir como políticas públicas podem ser implantadas com qualidade, a partir da experiência da implantação de quase 400 mil cisternas de consumo humano", afirma Naidison.

O documento foi encaminhado para o Governo Federal e para diversos movimentos sociais, como Confederação Nacional dos Trabalhadores da Agricultura (Contag), Movimento Sem Terra (MST), Movimento de Mulheres Trabalhadoras Rurais (MMTR), Movimento de Pequenos Agricultores (MPA), Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Movimento de Mulheres Camponesas (MMC) e Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Fetraf).


Fonte: http://www.fbes.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=6194&Itemid=62

0sem comentários ainda

    Enviar um comentário

    Os campos são obrigatórios.

    Se você é um usuário registrado, pode se identificar e ser reconhecido automaticamente.

    Cancelar

    FBES - Fórum Brasileiro de Economia Solidária

    Brazil