Gehe zum Inhalt

Warenkorb

Warenkorb leeren
Einkauf beenden
Gesamt:
Warenkorb anzeigen Warenkorb verstecken
Zurück zu Notícias
Vollbild Einen Artikel vorschlagen

Reitor analisa multicampia das Universidades Federais em artigo no Jornal A Tarde

October 22, 2013 11:00 , von Unbekannt - 0no comments yet | Es folgt noch niemand diesem Artikel.
78 Mal angesehen:

O reitor da UFRB, Paulo Gabriel Soledade Nacif, aborda a multicampia das Universidades Federais no Jornal A Tarde, em 22 de outubro de 2013. Segue abaixo texto integral:

A MULTICAMPIA DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS
Paulo Gabriel Soledade Nacif
Reitor da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)

No Brasil, a multicampia é uma resposta à necessidade de interiorização da educação superior e reafirma uma visão de universidade como instrumento essencial para o desenvolvimento regional. Instalada em mais cidades, a instituição aproxima a população da cultura universitária, democratiza o conhecimento e distribui recursos materiais e humanos em maiores áreas de abrangência.

O atual ciclo de expansão das universidades federais, iniciado em 2005, redefiniu a multicampia porque: a) a multicampia passou a ser a regra do sistema federal (exceções: UFGD e UFCSPA); b) instituições recém-criadas nasceram com uma multicampia com um novo arranjo que traz uma distribuição mais equitativa das forças acadêmicas entre os campi.

Com esse processo, pode-se definir a existência de duas categorias de multicampia nas IFES: a) Vertical – formada por um campus com sede forte e campi menores, sendo que o primeiro concentra a maior parte da força acadêmica; b) Horizontal – formada por diversos campi com forças acadêmica e institucional equilibradas entre eles.

A multicampia horizontal é uma experiência nova nas IFES, por isso, são muitos os desafios que ela apresenta, afinal, a dispersão da capacidade acadêmica, presente nesses casos, determina a necessidade de estratégias especiais que criem condições para que as forças acadêmicas das unidades descentralizadas se somem, de modo a impor a cultura universitária em todo o sistema.

A multicampia organizada por áreas de conhecimento, de um lado favorece o estabelecimento de condições propícias à criação de programas mais potentes de ensino, pesquisa e extensão, mas, por outro, torna ainda mais restrita as possibilidades de convivência com a diversidade cultural, fundamental para o aguçamento do senso crítico.

Em 1969, Beryl Crowe, cientista político americano, destacava que a sociedade, com ênfase na diferenciação e especialização, levava a universidade ao desenvolvimento de ilhas de comunidades culturais entre as quais havia pouca comunicação, grandes disputas, suspeitas, desdém e competição por recursos escassos. O que mudou desde 1969? De um lado, um avanço na compreensão epistemológica sobre a interdisciplinaridade, mas por outro lado, avançou-se também na diferenciação e especialização.

Tal situação pode tomar proporções ainda maiores nessa multicampia horizontalizada, caso não haja uma ação institucional que integre esses campi. Vivenciar a multicampia sem correr o risco de constituir campi culturalmente isolados exige estratégia e disposição institucional e coletiva.

Como destacou Anísio Teixeira, a universidade deve construir uma cultura que responda às necessidades da civilização contemporânea, promovendo o desenvolvimento das fontes que a integram, dando–lhe sentido humano, por um lado, e novas sendas, por outro. Para Anísio a nova cultura não pode expressar apenas valores da civilização técnica, mas deve também servir de base para a sua crítica e constante reformulação. A proposta Anisiana destaca então a missão histórica da universidade como instituição da cultura.

Para encaminhar essa questão necessitamos de condições virtuosas para o desenvolvimento de um ambiente efetivamente universitário e isso significará a necessidade incontornável da instituição definir, como princípio de sua organização acadêmica, a utilização intensiva de novas tecnologias de apoio à aprendizagem (TAA).

Na Bahia, o uso intensivo de TAA não será alcançado sem a significativa ampliação da infraestrutura de acesso a internet: é urgente a elevação da velocidade de conexão de todos os campi universitários para acima de 1 Gbps.

É necessário pensar o processo de consolidação desse modelo de multicampia horizontal em todos os seus aspectos de ensino, pesquisa, extensão e gestão, de modo que a "nova" universidade federal brasileira que nasce neste início do século XXI possa construir uma cultura que não superficialize a sua contribuição à civilização contemporânea, mas que, ao contrário, fortaleça o sentido complexo e polifônico da aventura humana.


Quelle: http://www.ufrb.edu.br/agencia/administracao/3375-reitor-analisa-multicampia-das-universidades-federais-em-artigo-no-jornal-a-tarde

0no comments yet

    Einen Kommentar schreiben

    Die Felder sind zwingend erforderlich.

    Wenn Sie ein registrierter Nutzer sind, dann können Sie sich anmelden und automatisch unter Ihrem Namen arbeiten.

    Abbrechen

    UFRB

    Brazil